PUBLICIDADE
Notícias

Ladrões poliglotas aproveitam Olimpíadas para assaltar estrangeiros

Eles se aproximam, conversando com os turistas em outros idiomas e ganham sua confiança antes de praticar crimes

10:05 | 08/08/2016
NULL
NULL

Assaltantes estão aproveitando o evento que trouxe turistas de todo o mundo ao Rio para praticar assaltos, muitas vezes sequer fazendo uso da força ou de armas. A maior surpresa é que, na maioria dos casos relatados, os ladrões chegaram às vítimas conversando em outros idiomas, principalmente inglês e espanhol.

Geanitt, uma sueca de 20 anos, veio assistir as Olimpíadas acompanhada da mãe, porém, levará do Brasil uma triste lembrança. "Estava indo ao mar quando um rapaz de boa aparência chegou em mim conversando em inglês. Ele falava um bom inglês, me perguntando coisas sobre meu país e se eu estava gostando do Brasil. Ficamos conversando até que o amigo dele chegasse por trás e puxasse minha bolsa", afirmou à ESPN no sábado, 6, dia do assalto.
[SAIBAMAIS3]
Os homens levaram a carteira da sueca, que continha R$ 300 e o celular dela, além de outros itens menores, de higiene pessoal. Após o ocorrido, Geanitt buscou ajuda dos policiais militares que estavam em frente à arena do vôlei de praia. Ela não foi a única a sofrer esse tipo de abordagem. O argentino Martín, de 23 anos, era parte de um grupo que também sofreu assalto, dessa vez, em “um bom espanhol”, como ele afirmou ao portal de notícias esportivas.  

Em meio a outras diversas queixas, um homem foi detido em flagrante com um cordão de ouro no bolso, entretanto, o denunciante teve receio de registrar boletim, por medo de represálias. De acordo com a ESPN, no 12º DP de Polícia, que fica próximo ao complexo esportivo, 43 casos de assalto foram registrados na sexta, e 27 no sábado, totalizando 70.

Os casos mais frequentes possuem como vítimas gringos mais desprevinidos, com itens de valor expostos, como celulares e bolsas, que foram levados sem uso de força ou armas. A recomendação é que a atenção seja redobrada e sejam evitados momentos de descautela, principalmente em conversas com estranhos.  

Redação O POVO Online

TAGS