PUBLICIDADE
Notícias

MP busca familiares de mulher em coma há 15 anos no Espírito Santo

Clarinha foi atropelada em junho de 2000, no Centro de Vitória, mas nem o local ou o veículo que a atingiu são exatos. Ela tem uma cicatriz de cesariana, o que indica que ela pode ter algum filho vivo

12:02 | 19/01/2016
NULL
NULL
Uma mulher que foi atropelada está em coma há 15 anos no Hospital da Polícia Militar (HPM) do Espírito Santo. A história de Clarinha, como foi apelidada por funcionários, foi divulgada na imprensa durante o fim de semana. O Ministério Público tenta encontrar algum familiar da paciente, mas até a manhã desta segunda-feira, 19, ela não foi procurada por ninguém.

“O que o MP pode fazer é, se as pessoas chegarem aqui, fazer o exame de DNA para saber se ela, realmente, é filha desse casal ou dessa família. Temos que achar quem é a Clarinha. Ela não pode ficar indefinidamente naquele hospital”, explicou a promotora Arlinda Monjardim, ao G1 ES.

Clarinha foi atropelada em junho de 2000, no Centro de Vitória, mas nem o local ou o veículo que a atingiu são exatos. Ela foi socorrida por uma ambulância e chegou no Hospital São Lucas sem documentos e desacordada.

Um ano depois, a paciente foi transferida para o HPM, onde continua em coma. Clarinha tem uma cicatriz de cesariana, o que indica que ela pode ter algum filho vivo.

O nome dela foi escolhido pelo médico tenente-coronel Jorge Potratz. Ele compra, com o próprio dinheiro, o material de higiene pessoal da paciente. As demais despesas com a internação são pagas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Meu sentimento por ela é de apego. Como se fosse quase uma filha, porque não tem ninguém por ela”, disse o tenente-coronel.
[FOTO2]
Serviço

As pistas da identidade da Clarinha devem ser repassadas ao Ministério Público por meio da Promotoria de Justiça, no Centro Integrado de Cidadania (Casa do Cidadão). O exame de DNA poderá ser feito em casos de vínculo familiar.

Endereço: avenida Maruípe, 2.544, Bloco B, Itararé- ES - Vitória.

Redação O POVO Online
TAGS