PUBLICIDADE
Notícias

Família diz que viúva de Amarildo está desaparecida há 10 dias

Parentes de Elizabete Gomes afirmam que ela havia apresentado sintomas de depressão. A família já procurou em hospitais e no Instituto Médico Legal (IML)

15:34 | 10/07/2014
NULL
NULL

Elizabete Gomes da Silva, viúva do pedreiro assassinado pela polícia em 2013, Amarildo Dias de Souza, está desaparecida há 10 dias, é o que garante a família da mulher. No dia 30 de junho, ela saiu da sua residência, na Favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro.

 Mãe de três filhos menores, “Bete”, como era conhecida, vinha apresentando sintomas de depressão nos últimos meses. “De um tempo para cá, ela vinha falando muito do meu tio. Voltou a beber e a usar drogas”, afirmou a sobrinha de Elizabete, Michele Lacerda, de 27 anos.

 Michele diz que todos estão muito preocupados com o sumiço de sua tia e que espera que a polícia não tenha a capturado. “ Ela saiu de casa e não disse para onde estava indo. A gente está rezando muito para que não tenha sido a polícia. Não vamos achar que foi isso nesse momento”.

 Parentes e amigos já procuraram Bete por hospitais e até no Instituto Médico Legal (IML), mas não conseguiram encontra-la. Ela também foi procurada na casa de sua mãe, em Natal, Rio Grande do Norte.

 Os filhos de Bete estão sendo cuidados pelo seu irmão mais velho e por uma tia. Uma das filhas, Milena, de sete anos, é a mais abalada com a ausência da mãe. Michele diz que ela pergunta constantemente por Bete. “Ela pergunta se a mãe vai desaparecer, como aconteceu com o tio Amarildo”, lembra.

 A sobrinha comenta que não registrou o desaparecimento na polícia porque já são marcados. No dia 14 de julho completa um ano que o pedreiro Amarildo foi detido por policiais militares e levado para a sede da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), na Rocinha.

 Ao todo, 25 policiais estão envolvidos no caso e são acusados pelos crimes de tortura, ocultação de cadáver, fraude processual e formação de quadrilha. 12 estão presos e 13 respondem ao processo em liberdade.

Redação O POVO Online

TAGS