PUBLICIDADE
Notícias

Madrasta confessa ter dado remédio, mas afirma que morte foi acidente

18:11 | 30/04/2014
Em depoimento à Polícia Civil, nesta quarta-feira, 30, a enfermeira Graciele Ugulini Boldrini, madrasta do menino Bernardo Boldrini, admitiu parciticipação na morte do enteado. Aos investigadores, Graciele admitiu ter dado medicamentos ao garoto, mas alegou que a morte de Bernardo foi um acidente.

Além da confissão, Graciele também negou o envolvimento do pai de Bernardo, o médico Leandro Boldrini, na morte do garoto, de 11 anos. O médico, que também alega inocencia, cumpre prisão temporária na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (PASC), na Região Metropolitana de Porto Alegre.

O pai, a madrasta e a amiga participaram do crime e os três deverão ser indiciados por homicídio triplamente qualificado, até a semana que vem. Segundo Caroline Bamberg Machado, delegada responsável pelo inquérito policial.
 

Redação O POVO Online

TAGS