PUBLICIDADE
Notícias

Deputado federal faz discurso polêmico sobre quilombolas, índios, gays e lésbiscas

17:53 | 12/02/2014

Nesta terça-feira, 12, foi publicado um vídeo na Internet, no qual aparece o presidente da Frente Parlamentar Agropecuária, deputado federal Luís Carlos Heinze (PP-RS), fazendo um discurso polêmico. As imagens foram gravadas durante um encontro com produtores rurais no município de Vicente Dutra, no Rio Grande do Sul. Heinze critica o ministro Gilberto Carvalho e afirma que quilombolas, índios, gays e lésbiscas representam "tudo que não presta".

Após lembrar o financiamento do governo, de R$ 150 milhões, aos agricultores, ele faz o pronunciamento polêmico. "Agora eu quero dizer para vocês: no mesmo governo, seu Gilberto Carvalho também ministro da presidente Dilma Roussef, e é ali que estão aninhados quilombolas, índios, gays, lésbicas, tudo que não presta, ali está aninhado e eles têm a direção e comando do governo", afirma Heinze.

O deputado federal ainda completa: "só tem um jeito: façam uma defesa como o Pará está fazendo, como Mato Grosso do Sul está fazendo".

Além de Luís Carlos Heinze, o deputado Alceu Moreira (PMDB-RS) fez críticas ao ministro Gilberto Carvalho, a quem classificou como "chefe da vigarice".

"Por que será que, de uma hora para outra, tem que marcar terra de índios e quilombolas? O chefe desta vigarice orquestrada está na ante-sala da presidência da República e o nome dele é Gilberto Carvalho, é ministro. Ele e seu Paulo Maldos (Secretário nacional de Articulação Social). Por trás desta baderna, desta vigarice, está o Cimi (Conselho Nacional Indigenista), que é uma organização cristã, que de cristã não tem nada: está a serviço da inteligência norte-americana e européia para não permitir a expansão das fronteiras agricolas do Brasil", disse Alceu.


Após a divulgação do vídeo, o deputado federal informou que foi mal interpretado, em entrevista ao jornal O Globo. Segundo Heinze, ele não tem preconceito nenhum, mas criticou a criação de terras indígenas.

 

Confira o vídeo: 

[VIDEO1]

Redação O POVO Online

 

TAGS