PUBLICIDADE
Notícias

Brasil de luto por vítimas de incêndio em boate

A presidente Dilma Rousseff, visivelmente abalada com a notícia, encurtou no domingo sua visita à cúpula Celac-UE, realizada no Chile, para se dirigir à cidade

07:22 | 28/01/2013
ABR
ABR

Os brasileiros estavam de luto nesta segunda-feira pelas vítimas de um incêndio ocorrido em uma boate no Rio Grande do Sul na madrugada de domingo que deixou mais de 230 mortos e 100 feridos, muitos dos quais ainda lutam por suas vidas.

Sobreviventes chocados, a maioria deles estudantes da cidade de Santa Maria, descreveram como dezenas de pessoas foram pisoteadas ou sucumbiram à inalação de fumaça, enquanto saídas bloqueadas e chamas aumentavam o pânico.

Autoridades afirmam que 233 pessoas morreram e outras 116 ficaram feridas. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, informou à imprensa que a prioridade do governo é "salvar as vidas que ainda podemos salvar".

A presidente Dilma Rousseff, visivelmente abalada com a notícia, encurtou no domingo sua visita à cúpula Celac-UE, realizada no Chile, para se dirigir à cidade.

O Brasil cancelou um evento agendado para esta segunda-feira que marcava o lançamento da contagem regressiva de 500 dias para a Copa do Mundo de 2014, e o desastre certamente levantará preocupações sobre a segurança pública, num momento em que o Brasil também se prepara para sediar os Jogos Olímpicos de 2016.

O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, que se referiu à tragédia como "um domingo triste", ordenou uma ampla investigação sobre as causas do incêndio para encontrar o responsável.

O fogo começou por volta das 2h00 de domingo, quando a boate sediava uma festa universitária.

A sobrevivente Michelle Pereira afirmou que um membro da banda levantou um sinalizador, que iniciou um incêndio no teto. As chamas rapidamente tomaram conta do local.

"Começou um 'empurra-empurra'", afirmou outra sobrevivente, Taynne Vendruscolo, à imprensa.

"O fogo começou fraquinho, mas em segundos se espalhou. Aqueles que estavam perto do palco não conseguiam sair", explicou.

O comandante geral dos bombeiros de Santa Maria, Guido de Mel, afirmou que muitas pessoas foram pisoteadas no desespero de sair. Outras foram sufocadas pela fumaça.

Os seguranças da boate proibiram as pessoas de sair, provocando um tumulto, acrescentou.

Os clientes afirmaram que os seguranças mantiveram a saída de incêndio bloqueada para impedir que as pessoas saíssem sem pagar por suas bebidas.

"Uma menina morreu em meus braços. Senti seu coração parar de bater", afirmou Mattheus Bortolotto.O fogo que se estringia ao clube logo se espalhou para as ruas, disse.

"As barreiras de metal que eles usavam para manter as pessoas na fila acabaram bloqueando as pessoas de sair", disse Bortolotto.

"As pessoas estavam batendo umas nas outras, esmagando as outras, caindo. E as pessoas que estavam na parte de trás da boate ficaram simplesmente presas", completou.

"Uma amiga minha conseguiu sair, mas então teve um ataque cardíaco e morreu", afirmou, por sua vez, Ana Paula Miller, estudante de engenharia de 19 anos, à AFP.

 

Incêndio mais fatal em mais de uma década

Os bombeiros conseguiram apagar o fogo do local com água e com a ajuda de marretas, utilizadas para abrir buracos e facilitar a retirada das vítimas.
Mas, para muitos, já era tarde demais.

Os corpos das vítimas foram levados para um centro esportivo, isolado pela polícia para evitar uma invasão de parentes e amigos das vítimas.
Do lado de fora, eles esperavam por notícias de seus entes queridos desaparecidos.

"Meu filho morreu. Meu filho morreu", lamentou uma mãe, pouco antes de desmaiar após encontrar seu nome na lista das vítimas fatais.
"Eu vi vítimas que tinham um lado de seu rosto derretido", afirmou Max Muller, que estava andando pelo local e que começou a filmar algumas das cenas caóticas em frente ao clube, à AFP.

"Estou traumatizado. É difícil esquecer o que vi. Pessoas que estavam tentando sair que pararam para fazer massagem cardíaca sem saber como, quebrando ossos até".

"É horrível ver tantas pessoas mortas, crianças, no chão, pessoas chorando, outras pessoas vomitando, que não conseguiam respirar".

"Algumas estavam tirando as roupas das pessoas para fazer massagem cardíaca, mas não tinham ideia do que estavam fazendo", afirmou.

A presidente Dilma Rousseff, por sua vez, deixou a cúpula entre países latino-americanos e da União Europeia ao saber do incêndio.

"É uma tragédia para todos. Não posso continuar na cúpula porque minha prioridade neste momento está com o povo do Brasil", afirmou a presidente antes de deixar Santiago.

A licença contra incêndios da boate Kiss estava expirada, informaram meios de comunicação locais

A cidade de Santa Maria, que tem grande parte de sua população composta por universitários, se localiza a oeste de Porto Alegre, uma das cidades-sede da Copa do Mundo.

Na esteira do desastre, as autoridades cancelaram o evento "500 dias até a Copa do Mundo-2014", previsto para esta segunda-feira em Brasília.

Este é o pior incêndio em mais de uma década, desde que um incêndio em um shopping e em uma discoteca na cidade chinesa de Luoyang matou mais de 300 pessoas em 2000.

A Argentina sofreu uma tragédia semelhante em 2004, quando um incêndio em uma casa noturna de Buenos Aires matou 194 pessoas.

 

AFP

TAGS