PUBLICIDADE
Notícias

Ban Ki-moon diz que ficou abalado com mortes em incêndio no Brasil

Com o término da identificação dos mortos, as autoridades estaduais confirmaram que, do total de mortos, pelo menos 101 deles eram alunos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

09:05 | 28/01/2013
AFP
AFP

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, ficou abalado com o incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria, na região central do Rio Grande do Sul, que matou 231 pessoas na madrugada do último domingo,27. Em uma nota publicada, o porta voz da ONU descreveu que Ban Ki-monn “ficou especialmente comovido com a notícia do grande número de jovens, incluindo estudantes universitários, que, segundo relatos, faleceram como resultado do fogo”.

Com o término da identificação dos mortos, as autoridades estaduais confirmaram que, do total de mortos, pelo menos 101 deles eram alunos da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Leia também:
> Incêndio em boate deixa pelo menos 231 mortos no Rio G. do Sul
> Corpos de vítimas do incêndio em boate deixam ginásio para enterros
> Dono de boate se apresenta à polícia
> Veja boate antes e depois do incêndio
> Relembre outros incêndios que causaram tragédias em boates  

 

A tragédia é destaque nos principais veículos de imprensa do mundo. Em uma série de reportagens veiculadas nesta segunda-feira,28, a BBC Brasil apontou as hipóteses de erro que teriam contribuído para o incêndio. A agência internacional descreve negligência, superlotação, falta de fiscalização, estrutura deficiente e uso de pirotecnia como as principais falhas.

O incêndio na boate – que era famosa por promover festas universitárias – é apontado por especialistas ouvidos pela imprensa internacional, como o segundo incêndio mais fatal da história do Brasil. A pior tragédia do tipo ocorreu em 1961 no Gran Circus Norte-Americano, em Niterói, quando 503 pessoas perderam a vida.

 

ABR

TAGS