PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Outras adaptações

vida_e_arte

01:30 | 06/12/2018
A segunda adaptação da obra ao cinema foi protagonizada por Tarcísio Meira e Ney Latorraca Reprodução
A segunda adaptação da obra ao cinema foi protagonizada por Tarcísio Meira e Ney Latorraca Reprodução

Em 1961, o Teatro dos Sete montou o texto de O beijo no asfalto pela primeira vez. Isso só veio depois de os jornalistas Samuel Wainer e Amado Ribeiro autorizarem. O primeiro era chefe de Nelson Rodrigues no jornal Última Hora e é abertamente citado. O segundo é o grande antagonista do espetáculo e, segundo consta, amou ser imortalizado como um ser terrível. A peça era dirigida por Gianni Ratto e tinha Fernanda Montenegro, Sérgio Britto, Ítalo Rossi e Fernando Torres no elenco.

 

Três anos depois, em 1964, Flávio Tambellini levou a obra ao cinema com o nome O Beijo. Na adaptação, Arandir era interpretado por Reginaldo Faria, Jorge Dória era o "jornalista Mário Ribeiro" e Nelly Martins era Selminha. A versão cinematográfica mais famosa, no entanto, é a de 1980, de Bruno Barreto. Nela, Tarcísio Meira é Aprígio, sogro de Aradir (Ney Latorraca) e pai de Dália (Lídia Brondi) e Selminha (Christiane Torloni). O jornalista Amado Ribeiro é vivido por  Daniel Filho.

 

Entre as várias adaptações para o teatro, uma delas é em forma de musical. A versão, idealizada por Claudio Lins e dirigida por João Fonseca, esteve em turnê em três cidades do Nordeste neste ano, mas ainda não passou por Fortaleza. (André Bloc)