VERSÃO IMPRESSA

"The Last Of Us, parte 2" amplia arsenal de Ellie

01:30 | 13/06/2018

Tropas de segurança, facções em guerra, cidades desabitadas, zonas de quarentena e um grupo de resistência chamado Vagalumes, que transita numa área cinzenta entre ciência e misticismo. Tudo isso parece continuar em The Last of Us, parte 2. As diferenças entre o game original e sua continuação, porém, são grandes.


Primeiro, a protagonista é Ellie, o que leva a uma série de mudanças que afetam movimentação e controle da personagem e tipos de arma à disposição do jogador. Além de manusear utensílios que Joel utiliza no primeiro jogo, a jovem de 19 anos é exímia com armas brancas e arco e flecha, além de mais rápida na corrida.


No primeiro gameplay do jogo, exibido com estardalhaço na segunda-feira durante a E3, nos Estados Unidos, a personagem explora características que se tornaram marca de Last of Us: furtividade, sobrevivência e quadros com montagem de itens, que não mudou quase nada em relação ao primeiro.


Mas o ganho existe, e não está apenas na história. Os modos de furtividade, por exemplo – Ellie é mais ágil e tem mais habilidades, embora menos força que Joel. Outro ponto é a capacidade de reação da adolescente, submetida a enfrentamentos sangrentos.


Ainda que não apareça no trailer, Ellie, ao que tudo indica, terá um parceiro. Pelas imagens divulgadas até aqui pela produtora Naughty Dog, a protagonista vai contar com a companhia de um cão durante a campanha – não se sabe se ele estará mais próximo mesmo de Ellie ou de Joel.


Finalmente, um aspecto crucial é o incremento numa das armas prediletas de Ellie: arco e flecha, que ganha opções com explosivos. Ao todo, portanto, a protagonista tem um verdadeiro arsenal, de facas e pistolas a machetes e espingardas. Tudo isso para sobreviver mundo hostil dominado por zumbis e seitas que cultuam uma religiosidade primitiva.

Henrique Araújo

 

TAGS