VERSÃO IMPRESSA

Roberto Carlos faz show de Dia dos Namorados no CFO

| SHOW | Roberto Carlos antecipa o Dia dos Namorados trazendo seus clássicos, neste sábado, 9, para o CFO (Castelão)

01:30 | 07/06/2018
[FOTO1]

Os eventos que antecedem o Dia dos Namorados já iniciam neste fim de semana em Fortaleza com a presença de ninguém menos do que o “Rei” que faz show neste sábado, 9, às 21h30min, no Centro de Formação Olímpica (CFO). Majestade absoluta há quase 60 décadas, Roberto Carlos continua a ser uma espécie de unanimidade entre artistas de diversas gerações e estilos, do pop ao sertanejo, do rock ao samba.


Com a marca de mais de 600 músicas gravadas, o cantor – nascido na cidade de Cachoeiro do Itapemirim (ES) – contabiliza 70 álbuns lançados no País, três EPs e 11 DVDs, tendo às mãos um leque de sonoridades marcado por inúmeras fases: da época roqueira da Jovem Guarda (ao lado de Erasmo Carlos e Wanderléa), nos anos 1960, às canções mais de cunho romântico, Cama e Mesa, Côncavo e Convexo, que vão da conquista ao ápice da sensualidade e do amor maduro, a partir da década de 1980.


“Acho o Roberto Carlos um dos artistas mais surpreendentes da música brasileira. Ele passou por diversas fases, mas continua mantendo a originalidade sempre e apresentando algum trabalho novo - o que é muito raro até em músicos com menos tempo de estrada”, enalteceu Adriano Uchôa, da banda cearense Os Alfazemas. Fã da fase mais roqueira do “Rei”, o vocalista tem sua música preferida.


“Uma das músicas que mais gosto é Sua Estupidez (1969). Gosto do período da Jovem Guarda, mas com certeza escuto mais as românticas hoje em dia. Espero que eu consiga ter ao menos 10% dessa vitalidade e paixão pela música para seguir uns bons anos me reinventando, como o ‘Rei’ tem feito incansavelmente. Roberto Carlos tem muito a ensinar sobre romance para nós ainda”, destacou Adriano.


Jolson Ximenes, vocalista e baixista d’Os Transacionais, chama atenção para a equipe e as parcerias que o cercam. “Acho que, antes de qualquer coisa, o suporte dele de marketing, de assessoria, a equipe dele em si, é muito antenada desde sempre. Você não vê o Roberto Carlos se aliar a quem não é sucesso, e ele também não tem medo de se aliar com quem faz sucesso, mesmo que o estilo musical seja diferente”, pontuou. “Fora isso, ainda tem essa natureza mística dele de não dar entrevista, de se blindar nesse sentido. Então tudo isso cria uma aura, uma energia diferenciada com relação aos outros artistas consagrados. Fora a questão técnica, claro, a qualidade das composições, dos arranjos... Roberto Carlos realmente é um rei, um mito por tudo isso”, concluiu o músico, que elege o LP Em Ritmo de Aventura (1967) como o seu preferido da discografia.


“Ninguém é rei à toa. É incrível a capacidade dele de percepção do que o público queria e de escolha do seu repertório, para além das músicas que ele mesmo compunha. Quando ele começou imitando o João Gilberto, a bossa nova que tinha acabado de surgir; depois viu o potencial da juventude, do rock e da influência de Elvis; e a explosão da Jovem Guarda, que foi quando o Brasil todo sucumbiu ao ‘Rei’. Na década de 1990, surgiram também as músicas temáticas e, depois, as religiosas, que são hinos cantados na igreja e tudo. É isso: Roberto Carlos tem o poder de dizer o que a gente quer ouvir. Viva o Rei!”, celebrou Alan Morais, DJ e colecionador de vinis.


Roberto Carlos

Quando: sábado, 9, às 21h30min (abertura dos portões às 19h30min)

Onde: Centro de Formação Olímpica – CFO (Castelão)

Quanto: Setor Azul (numeradas) - R$ 480 (inteira) e R$ 240 (meia) / Arquibancada – R$ 280 (inteira) e R$ 140 (meia)

Vendas antecipadas: Aliança de Ouro (Iguatemi) e no site www.myticket.com.br

Classificação: 16 anos

Telefone: (85) 3033 1010

 

TERESA MONTEIRO

TAGS