PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Di Melo volta a Fortaleza para show na Praia do Futuro

| SHOW | Di Melo é atração principal de evento, que contará ainda com show da banda cearense DUBaile e a DJ Priscilla Delgado

01:30 | 17/05/2018

“Muito charme, muita elegância, muita provocância”. Assim resume, sem a mínima modéstia, o pernambucano Di Melo, ao ser perguntado sobre mais um show, o terceiro na capital cearense, marcado para este sábado, 19, na barraca Tempero do Mar (Praia do Futuro). Cantor e compositor, Roberto de Melo Santos, 69, com o pé fincado na música desde menino (pois filho de mãe cantora e pai violonista), já atendeu pela alcunha de Bob di Melo, já gravou em discos de nomes como Jair Rodrigues, Wando, entre outros mais, mas, certamente, foi apresentando-se somente com o sobrenome que transformou-se em um dos ícones da soul music brasileira.

O ano era 1975, quando, em precisos oito dias, foi gravado num estúdio em São Paulo um LP homônimo que, anos depois - em torno de 40, para ser mais preciso - se tornaria espécie de obra-prima e objeto cultuado e, sobretudo, procurado por DJs internacionais, entendidos de música e cult-bacaninhas da nova geração.

O desgosto com a indústria e o mercado fonográficos da época, aliados a um acidente e à inexistência de redes sociais, contribuíram para que Di Melo fosse dado como morto. “Foi a somatória disso. Eu saí da mídia porque quis. O acidente foi porque eu sempre praticava loucuras de moto, mas eu fiquei sabendo desse boato pelas pessoas: ‘porra, eu morri, foi?!’ (risos). Dizem que eu morri e se esqueceram de me avisar”.

O título de “O imorrível” foi dado por ele próprio e sua trajetória pôde ser reaquecida no CD Di Melo - O Imorrível (SP/PE, 2016) e resumida em documentário de Alan Oliveira e Rubens Pássaro, premiado, inclusive com o Kikito de Melhor Montagem no 40º Festival de Gramado (2012).

“Todo mundo acha que eu só tenho dois discos, o de 1975 e esse mais recente, da minha volta. Mas eu continuei fazendo shows, lancei 11 CDs - um deles, inclusive, com a banda do Belchior - e também tenho dois livros compilados. Acho que estou no meu melhor momento, fazendo tudo que gosto. Isso é primazia. Meu balanço é único, inigualável”, afirma.

Na festa Praieira, Di Melo será acompanhado pela banda cearense DUBaile. “Fortaleza, pra mim, é uma maravilha. Tem todo um encantamento. Vai ser um show iluminado. Eu já subo arregaçando, não preciso de nada. Tô feliz”.

 

“O” LP DO “IMORRÍVEL”

KILARIÔ E OUTROS SONS

Considerado clássico da soul music brasileira, o LP Di Melo (1975) foi lançado pela gravadora EMI-Odeon e contava com a presença de Hermeto Paschoal, Heraldo do Monte e outros nomes consagrados da época. “Foi lá no Japão que compus Kilariô, Minha Estrela, A vida em seus métodos diz calma (que integra a coletânea Blue Brazil 2)... E foi primoroso! Uma crise de choro pra todo lado!”, contou. Em relação a um CD novo, de inéditas, Di Melo adianta: “Já estamos montando ainda pra esse ano. Já fiz a seleção das músicas, coloquei voz e violão, e agora estamos discutindo as participações. Tô me sentindo em estado de graça!”, confessa.

 

Praieira com Di Melo (PE), Priscilla Delgado e banda DUBaile (CE)

Quando: sábado, 19, às 22h

Onde: barraca Tempero do Mar (av. Clóvis Arrais Maia, 2771 - Praia do Futuro)

Quanto: R$ 30 (1º lote inteira) e R$ 20 (com nome na lista do Facebook até amanhã, 17) - à venda na loja Criolo, banca Avenida Show, Oito Polegadas Records e internet (link: goo.gl/4U5QpG)

Outras informações: (85) 99155 2651 / 98508 7991

 

 

TERESA MONTEIRO