VERSÃO IMPRESSA

Banda Pietá faz temporada de shows na Caixa Cultural Fortaleza

PIETÁ | Trio retorna a Fortaleza com o show Leve o que quiser, de hoje a domingo. No palco, participações de nomes locais e uma prévia do que será o segundo CD, previsto para este ano

01:30 | 19/04/2018
[FOTO1]

Pietá, que dá nome à famosa escultura de Michelângelo (1475-1564), também batiza um trio. Um encontro musical formado em sua potência pela cantora potiguar Juliana Linhares e os músicos cariocas Frederico Demarca e Rafael Lorga, desde o início de 2012. A banda, após dois shows em meados de 2017, retorna a Fortaleza num novo momento de sua trajetória. Para apresentar as canções que integram o CD de estreia, Leve o que quiser (2015) e, de quebra, apontar um norte para o segundo disco, com previsão ainda para este ano, o trio está de cartaz de hoje a domingo na Caixa Cultural (Praia de Iracema).


A ideia da banda, de acordo com Juliana, surgiu dentro do circuito universitário carioca. “Comecei muito novinha fazendo teatro, ainda na escola. Profissionalmente, comecei a cantar aos 18. Fazia arquitetura e fui para o teatro. Abandonei o curso e conheci na Unirio a turma de interpretação teatral, da qual faziam parte o Fred e o Rafa. Sou de Natal, mas moro há oito anos no Rio. Depois de uns anos, mudei para o curso de direção e, desses encontros, a gente montou a Pietá. Somos três atores em sua essência e temos a vivência da teatralidade”, resume.


O balaio sonoro da Pietá bebe de fontes variadas. Do samba carioca aos lamentos do sertão, as composições ganham peso com arranjos bem elaborados, o que acabou resultando em premiações, como o WebFestWalda 2014 (nas categorias Melhor Banda e Melhor Cantora) e elogios de nomes do cenário nacional, como é o caso do cantor e compositor paraibano Chico César, que participa do CD de estreia num dueto com a faixa-título.


“O disco vem desse encontro casual de três pessoas diferentes. Os meninos têm a música de raiz, o samba, a capoeira, Clube da Esquina também... Têm uma vivência de Rio de Janeiro diferente. Já eu venho de Natal e trago a música nordestina, a voz mais metalizada. É uma mistura diversa porque somos diversos. Muita coisa foi amadurecida e tocamos muito antes de gravar um disco”, adianta Juliana.


Para a curta temporada de Leve o que quiser na Caixa Cultural, o trio contará com o reforço de mais dois músicos - Pablo Arruda (baixo) e Marcelo Cebukin (sopros) – e de quatro convidados locais, sendo uma atração por dia. Hoje, 19, será a vez da banda Casa de Velho; amanhã, 20, o cantor Daniel Groove; no sábado, 21, Juruviara; por fim, no domingo, 22, a vez de Paula Tesser. “Por mais nordestina que eu seja, a gente sempre tem alguém que não conhece. Pessoalmente, não conheço ninguém. Vai ser uma loucura, ensaiar à tarde e fazer o show à noite”, confessa a artista.


A escolha dos nomes deu-se, assim, por indicação. “Recebemos várias sugestões. Convidamos o Daniel Medina, mas ele não poderia na data. Tinha uma banda também, Breculê, que também não deu – na verdade, acho que nem existe mais... Então chegamos à Casa de Velho, que é um grupo de jovens que tem muito a vibe da gente no início da carreira, de uma galerinha com músicas autorais e um público fiel, sabe? A Paula e o Daniel foram indicações nossas desde quando estivemos em Fortaleza da outra vez, e o Juruviara também foi sugestão”, completa a vocalista.


Do novo trabalho, o público poderá já conferir um pouco do que virá. A começar pelo single intitulado Com os pés no futuro, composição assinada pelo artista plástico Manduka. “Esses são os últimos shows deste primeiro CD. Lançamos este single no final do ano passado e, nesse novo caminho que a banda tomou, terá a presença de composições dos meninos, Rafa e Fred, e deles com outros parceiros também. Mas ainda não escolhemos um nome para o segundo disco”. De Fortaleza, o trio retorna para show no Rio de Janeiro (dia 23).

 

Banda Pietá – Show Leve o que quiser

Quando: de quinta a sábado, às 20 horas, e domingo, às 19 horas

Onde: Caixa Cultural Fortaleza (av. Pessoa Anta, 287 - Praia de Iracema)

Quanto: R$ 20 (inteira) – no local, a partir das 10h

Duração: 75 minutos

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais

Info: (85) 3453 2770

 

TERESA MONTEIRO

TAGS