PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Aos 35 anos da carreira, Madonna segue como influencia pop e fashion

COMPORTAMENTO | No ano em que completa 35 anos de carreira, o Vida&Arte mostra como Madonna segue como influência na moda

01:30 | 17/04/2018
DESDE OS ANOS 80 o estilo de Madonna vem atravessando gerações e inspirando o mundo fashion. Entre suas primeiras influências estava o punk, que ela deu uma visão própria FOTO DIVULGAÇÃO
DESDE OS ANOS 80 o estilo de Madonna vem atravessando gerações e inspirando o mundo fashion. Entre suas primeiras influências estava o punk, que ela deu uma visão própria FOTO DIVULGAÇÃO

Dizer que Madonna, 59, era alguém à frente de seu tempo, mesmo antes da fama, talvez, não desse a dimensão de sua força para a cultura pop. A voz ambiciosa da Material Girl sempre esteve na vanguarda, ditando moda e comportamento.

Desde o início na dança moderna, no final da década de 1970, à estrela de musicais, mais tarde, precursora de videoclipes exibidos na MTV, saltou de tela em branco para uma “artista-aposta” em diversas áreas. Madonna construía um visual marcante na história da moda, influenciado principalmente pelo movimento punk, com destaque para os trabalhos de Vivienne Westwood.

A rebeldia vestida pela estrela, claro, ganhava seu brilho pessoal. Como surgiu há 33 anos em Procura-se Susan Desesperadamente, com direção de Susan Seidelman e figurino de Santo Loquasto, a cantora-atriz, datou um dos estilos mais revisitados da moda, como adora Tom Ford em uma pegada oitentista contemporânea (vide seu último desfile na temporada internacional).

Na comédia dramática em que contracena com Rosanna Arquette, 58, Madonna é um completo moodboard para a estética “faça você mesmo”, “que habilitava o indivíduo a construir sua própria identidade através da música, aparência, atitude e até mudanças de nome”, conforme explica Marnie Fogg no livro Tudo Sobre Moda (2013), para uma leitura aprofundada dos estilos e comportamentos na moda.

&nsbp;

Situado na Nova York da década de 1980, Susan (Madonna) “vende” autoexpressão em looks bebidos de exageros, reflexo de uma época inquieta, passando por transformações. Enquanto falava-se de experimentação, de culto ao corpo com traje aeróbico de lycra, de figurino radical, de cultura hip-hop e estilo de rua e de renascimento da alta-costura, tudo ao mesmo tempo, e em um cenário político que não vem ao caso, Madonna estava nas telas com personagem semelhante a ela mesma.

Dona desse mesmo estilo fora dos cinemas, a Rainha do Pop, com Like A Virgin na cabeça, já se sentia, na época, como tal. “Desde o início ela estava determinada a definir um olhar para si mesma e a criar um espaço na imaginação do público”. A descrição, no site da Weiss Katz, é acompanhada de uma Madonna jovem, querendo “dominar o mundo”, lembra o fotógrafo Richard Corman, responsável pelos cliques com a cantora-atriz antes da fama, em entrevista à revista britânica Dazed.

No ano especial para Madonna, que em agosto completa 60 anos de idade em plena atuação profissional, Corman a revive em mostra batizada não por acaso de Madonna NYC’83. Nela, Madonna Louise Veronica Ciccone, prestes a lançar-se solo na música, com o primeiro álbum (de sucesso), Holiday (1983), já era Madonna por Madonna.

A princesinha do punk, de coração rebelde como ainda se identifica, tendo batizado seu último álbum de Rebel Heart (2017), usa lenço na cabeça, muitos acessórios, camiseta e jeans. A fotografia é dessas referências “power” para um look da época, vista de perto na Weiss Katz, de Nova York, ou, se optar, da tela mesmo do celular ou computador, no Weisskatz.gallery, onde a galeria nova-iorquina, em parceria com Corman, dispõe de pré-venda dos retratos online.

Se música, moda e arte andam juntas, Madonna foi responsável por imprimir isso (muito bem!) em sua própria imagem. A parceria com o estilista Jean Paul Gaultier, francês, resultou em um dos símbolos de sua essência criativa, chamando atenção da cena musical e fashionista: o sutiã cone explorado por Gaultier em bustos femininos e masculinos para sua linha de fragrâncias.

A peça associada a um corset foi usada pela primeira vez em 1990, como ponto máximo do figurino especialmente desenvolvido para a turnê Blonde Ambition. Era uma Madonna tomada de sex appeal, pronta para explorar mais uma década de visuais emblemáticos, como sempre ousou em mais de três décadas de shows.

 

MATERIAL GIRL virou grife assinada por Madonna e sua filha, Lourdes Maria. No clique, uma das versões atuais da garota material, com Pia Mia, para @materialgirl, no Instagram.

 

Linha do tempo de Madonna

 

1984

No mood de Like a Virgin

 

1985

Com vestido de noiva e seu cinto Boy Toy no clipe de Like a Virgin

Em sua primeira aparição nas telas, com Procura-se Susan Desesperadamente

Com seus crucifixos e outros símbolos religiosos no American Music Awards

 

1987

A celebridade no American Music Awards com um look Marilyn Monroe

 

1989

No polêmico clipe Like A Prayer

 

1990

Com figurino icônico assinado por Gaultier

REFRESH

PARA OUVIR MADONNA NA DÉCADA DE 1980

1. Who’s That Girl

2. La Isla Bonita 

3. Boderline

4. Crazy For You 

5. Live To Tell

6. Like A Prayer 

7. Dress You Up

8. Holiday 

9. Papa Don’t Preach

10. Material Girl

 

JULLY LOURENçO