PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Produtor Miranda morre em São Paulo

Reconhecido pelos trabalhos com a banda Raimundos e no programa Ídolos, Carlos Eduardo Miranda teve um mal súbito aos 56 anos

01:30 | 24/03/2018

PLURAL Miranda trabalhou com nomes como Raimundos, Mundo Livre SA e Gaby Amarantos DIVULGAÇÃO
PLURAL Miranda trabalhou com nomes como Raimundos, Mundo Livre SA e Gaby Amarantos DIVULGAÇÃO
Nome importante na cena musical brasileira, Carlos Eduardo Miranda morreu aos 56 anos, nesta quinta-feira, 22. Vítima de mal súbito, ele estava em Casa, em São Paulo, acompanhado da esposa e da filha pequena, quando começou a sentir fortes dores de cabeça. Miranda nasceu em Porto Alegre e ganhou destaque nos anos 1990 quando trabalhou com bandas importantes do cenário do rock nacional como Skank, Raimundos e O Rappa.

 

A morte repercutiu no meio musical. O Skank foi um dos grupos que se manifestou por meio de sua página oficial no Instagram: “grande Carlos Eduardo Miranda, foi uma figura seminal na nossa história. Foi ele quem chamou a atenção da imprensa do eixo Rio-SP sobre um quarteto que vinha de Minas Gerais e misturava reggae, pop, ska. Foi a chave que abriu a porta pro que viria depois. Ele teria ainda grande contribuição ao longo da nossa carreira, especialmente no disco Maquinarama. (...) Que sua travessia seja tão leve e divertida quanto a vida que ele levou aqui. Nossos pensamentos estão com sua filhinha Agnes e sua companheira, Bel. Vá em paz, amigo”, diz o texto.

 

Os integrantes do O Rappa também escreveram sobre a morte de Miranda. “Acabamos de saber da passagem de um grande cara (...) responsável por algumas das coisas mais legais que já aconteceram na música brasileira contemporânea. Carlos Eduardo Miranda era antes de tudo um amante da arte. Jornalista, músico, produtor e mais do que tudo, um grande agitador cultural com uma grande importância na nossa carreira e de tantas outras bandas da nossa geração. Produziu o nosso Acústico MTV, um dos discos do qual temos mais orgulho e era grande parceiro do nosso também saudoso Tom Capone, com o qual já deve ter esbarrado noutro plano e deve estar pondo o papo em dia. Vai em paz, irmão, força pra sua família e fique com a certeza de que você não veio a este mundo a passeio, sua obra por aqui é eterna!”.

 

Entre os trabalhos mais populares de Miranda nos últimos anos estava no programa Ídolos (SBT), onde foi jurado em 2006 e 2007. Em seguida, ele foi jurado nos programas Astros e Qual é o seu Talento, também no SBT, e JK Show, na Rede TV!. Nos anos 1980, ele também integrou as bandas Taranatiriça, Arahualpa Y Us Panquis e Urubu Rei.

 

Como produtor musical, Carlos Eduardo Miranda fundou junto com membros da banda Titãs o Banguela Records, selo musical responsável por lançar uma cena plural do pop brasileiro dos anos 1990. Entre essas bandas estão Virgulóides, Mundo Livre SA, Maskavo Roots e Raimundos.

 

Mais recentemente, Miranda vinha se aproximando da cena musical cearense. Em 2017, ele produziu o álbum de estreia da banda Mad Monkees, liderada pelo guitarrista e vocalista Felipe Cazaux. “Que Deus o tenha! Você é e sempre será nosso mentor! Com carinho nos lembraremos sempre de ti”, comentou o músico pelo Facebook.

 

Quem também se manifestou pelas redes sociais foi o cantor e compositor cearense Daniel Groove. Miranda estava trabalhando no terceiro álbum do cearense. “Poucos dias atrás, ouvi pela primeira vez meu próximo álbum e fiquei tão feliz e agradecido por toda sua dedicação a esse projeto que não via a hora de encontrá-lo pra dar um abraço nele daqueles de quebrar os ossos. Hoje me sinto sem chão. Obrigado amigo por tudo, esse disco e tudo relacionado a ele vai ser pra você e por você”, comentou Groove. Ainda no ano passado, Miranda trouxe ao Ceará sua banda La Cumbia Negra, com que se apresentou em Fortaleza, na Maloca Dragão, e em Juazeiro do Norte, na Mostra Sesc Cariri.

com agências