VERSÃO IMPRESSA

Pensar a moda

Hoje, o projeto leva à Livraria Cultura uma programação com debate, lançamento de livro, sessão de autógrafos e mini-exposição

01:30 | 24/03/2018


O atual mercado para o designer de moda será discutido na tarde de hoje na Livraria Cultura. A quinta edição do projeto Vida & Arte Convida — primeira realizada em 2018 —, tem início com o debate Vivências e desafios no novo profissional, que será conduzido pela coordenadora do curso Design-Moda da Universidade Federal do Ceará (UFC), Emanuelle Kelly Ribeiro, pelo diretor do Dragão Fashion Brasil (DFB), Claudio Silveira, e pelos estilistas Cândida Lopes e David Lee.

[SAIBAMAIS] 

Atualmente, o profissional que trabalha com moda deve ser dinâmico e possuir habilidades que abarquem as diferentes áreas de atuação, como desenho, modelagem e gerenciamento de produção, segundo explica Emanuelle Kelly Ribeiro. “Não adianta ter um profissional bom em uma área só. Ele tem que ter destaque em uma, mas, também, dominar ou ter conhecimento nas demais, senão ele não vai ser um bom gestor de design”, acredita.

 

Este perfil é exigido em um cenário no qual o mercado passou por mudanças na maneira no modo de produção. Emanuelle aponta, por exemplo, um maior número de coleções e um calendário de lançamentos menos rígido. “Atualmente, as coleções são pulverizadas, falamos em células de lançamento periódicas e isto é muito variável, depende da empresa, do seu porte, se ela é varejo ou atacado”, observa.

 

O aumento do acesso à informação também teve influência na atuação do designer de moda. Para Cândida Lopes, hoje, é importante que o profissional esteja constantemente conectado e bem informado. “As pessoas querem o que está acontecendo lá fora agora, então, é tudo muito imediatista. Como todos os profissionais, você tem que estar conectado o tempo inteiro, senão fica para trás”, aponta.

 

A estilista, que atua há 15 anos na empresa Produção, cria figurinos e trabalha com bordado em uma marca que leva seu nome. Para ela, o mercado tem se mostrado “mais estreito e seletivo”, pela quantidade de profissionais formados. Ao mesmo tempo, ela percebe que as mídias sociais proporcionam, ao designer que opta pelo empreendedorismo, contato direto com os clientes. “Há 15 anos, você tinha que ter uma loja física. Hoje, não precisa. Você cria uma ilusão de uma loja virtual e pode vender o que quiser, como quiser e apresentar da maneira que acha mais interessante”, explica.

 

Em Fortaleza, diz Emanuelle, o espaço para a moda autoral — caracterizada por questões, como slow fashion, sustentabilidade, utilização de recursos renováveis e valorização de mão de obra, em oposição à produção em massa —, feita, muitas vezes, por pequenos produtores, está em ampliação. “Há um mercado que prefere consumir de forma mais consciente, consumir produtos mais duráveis, que sejam mais atemporais e que tenham uma qualidade melhor. de acordo com a sustentabilidade, tanto no que se refere às questões humanas quanto ecológicas”, afirma. Para ela, o aluno que escolhe este segmento sai na frente.

 

VIDA&ARTE CONVIDA

Quando: hoje, a partir das 15 horas

Onde: Livraria Cultura (avenida Dom Luís, 1010 - 8 - Aldeota)

Gratuito

Informações: opovo.com.br/vidaearte

 

GABRIELA CUSTÓDIO

TAGS