PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Marcas de moda local trocam experiências com expressões artísticas

Experiências recentes de marcas de moda local interligam-se a variadas formas de expressão artística, como artes plásticas e fotografia

01:30 | 13/03/2018
CENÁRIO A força do feminino é destaque em fotos de campanha da Lenita com cenário assinado por Juliana Araripe FOTO DIVULGAÇÃO
CENÁRIO A força do feminino é destaque em fotos de campanha da Lenita com cenário assinado por Juliana Araripe FOTO DIVULGAÇÃO

Quando a moda vai além de uma experiência com foco no prazer do consumo, a tendência não é falar, em primeiro plano, de tendência. Mas de uma relação estreita, ou paralela, como acontece no mundo hype de Commes des Garçons e Gucci, com as múltiplas linguagens que acompanham a moda como forma de expressão.

Em Fortaleza, como um start criativo, unindo ilustração e fotografia, além de curadoria da Galeria Mariana Furlani Arte Contemporânea, Lenita e Iury Costa lançaram “frescor” para seus lançamentos, nas lojas. As marcas cearenses deram novo significado à semana em homenagem ao Dia da Mulher. Voltaram seu olhar para novas associações criativas, uma delas durante live painting, com a ilustradora Juliana Araripe, que emprestou seu traço de spray para desenhar rostos de mulheres na vitrine da loja Lenita.

“Os traços modernos da artista vão ao encontro do momento atual da marca”, justificou Maria Lúcia Carapeba, da marca de moda feminina criada há 30 anos pela mãe, Lenita Negrão. “Nosso objetivo foi mostrar cada mulher como um elemento artístico, que nos inspira e que produz arte dentro e fora da nossa loja, no seu dia a dia”, comentou a empresária, que convidou diferentes perfis, englobando nomes da gastronomia e da dança local, para o evento de experiência no espaço da loja.

IN RED Coleção de estilista Iury Costa foi mote para vernissage
IN RED Coleção de estilista Iury Costa foi mote para vernissage

Em novo momento profissional, a especialista em Ilustração Criativa vem de dobradinha com marcas já há um tempo. Antes de intervir, pela primeira vez, em uma vitrine de moda, dando cara também a gifts da etiqueta cearense, ela assinou coleção duas vezes para a loja Iury Costa. As camisetas com sua arte também foram parar na Maresia. Com a marca de surf e street wear, lançou-se no desenho também para bermuda. “As pessoas passam não só a ver o seu trabalho como a acreditar nele”, preza a artista.

Para Juliana Araripe, há cinco anos neste mergulho multicor da ilustração, a moda serve de suporte, como tela em branco para suas pinturas, antes só em parede, mas que agora encontram lugar no Garimpo da Vila. “Moda para mim está longe de tendência. Sempre me vi modificando minhas próprias roupas, querendo me comunicar por meio delas. É uma forma de expressão”, diz Juliana. Hoje, com a possibilidade de ampliar seu trabalho com telas, ela desenvolve novas texturas, usando-se de massa e tinta acrílica.

Na Haus de Iury Costa, a fotografia ganha peso dois. O estilista cearense, que flerta com referências de arte já há um tempo, como deu amostra para o desfile “Beleza e Inquietude” na última edição do Dragão Fashion, com print de escultura de Michelangelo, na passarela, e em coleção passada com estampa com fotos de Rodrigo Frota, uniu artistas de universos diferentes, mas que podem dialogar em um mesmo espaço.

INTERVIR, ilustração da cearense Juliana Araripe criada especialmente para o Vida&Arte
INTERVIR, ilustração da cearense Juliana Araripe criada especialmente para o Vida&Arte

Ele escalou o fotógrafo de moda Lucas Dantas para assinar sua primeira exposição. Com styling de Iury e direção de act de Celso Ferrer, o trabalho artístico, com retratos de mulheres, trouxe o desejo antigo do estilista de receber leituras de arte em sua Haus. “Acredito que a arte sempre vai nos inspirar, como a moda, neste sentido, também pode ser uma de suas extensões”, comenta.

A curadoria de Mariana Furlani também ocupa a casa de moda, na Aldeota. Em paralelo a exposição fotográfica, fica por lá até o fim do mês. “Para essa ocasião, a ideia surgiu mesmo como uma maturação da ideia da coleção, que é uma mulher que viaja, que coleciona arte, que tem uma herança intelectual, com repertório de vários lugares”, descreve o estilista. O batismo da coleção, com destaque para o lady in red, com classe para alfaiataria, é o mesmo que liga fotografia e seleção de arte, no local: “Conversations”.

O novo momento para a marca há quase dez anos no mercado acompanha uma visão de mudança. “Para que a moda e as formas de arte convivam no mesmo ambiente e isso se torne mais real, mais honesto, mais verdadeiro”, justifica o estilista.

 

JULLY LOURENçO