PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Tem início hoje III Encontro Internacional de Imagem Contemporânea

| PENSAMENTO | Encontro internacional reúne pesquisadores em Fortaleza para discutir e refletir sobre a imagem. Evento também conta com performance, exposição e mostra

01:30 | 26/02/2018
POESIA Nascido em Crateús, Francisco de Almeida constrói uma obra com referências religiosas e místicas  
REPRODUÇÃO
POESIA Nascido em Crateús, Francisco de Almeida constrói uma obra com referências religiosas e místicas REPRODUÇÃO

A imagem é presença constante e indissociável da vida humana, da feitura do homem “à imagem” de Deus às selfies do Instagram, passando pelos blockbusters e pela máxima que afirma que “uma imagem vale mais que mil palavras”. A partir de hoje e até quinta, 1º, pesquisadores e artistas de diversas áreas irão se reunir em Fortaleza no III Encontro Internacional de Imagem Contemporânea, trazendo olhares múltiplos e reflexivos sobre as imagens hoje.

Realizado pela Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCom) da Universidade Federal do Ceará junto ao Instituto de Cultura e Arte e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o evento chega à terceira edição com um eixo temático que atravessa todas as discussões: Imagem e Liberdade. Em oito conferências, 16 convidados irão proferir palestras em diferentes espaços da Cidade. “A gente tenta instituir uma capilaridade, envolver outros lugares e não deixar uma coisa só para a Universidade. Temos hoje espaços como o Porto Iracema, o Museu da Fotografia, que nos apoiam em termos de infra-estrutura”, explica Beatriz Furtado, professora do PPGCom e da Graduação em Cinema e Audiovisual da UFC.

“Academicamente, o encontro mobiliza no sentido de a UFC ter crescimento de um diálogo não apenas com outras universidades brasileiras, mas também de outros países, o que faz com que nossos alunos comecem a transitar nesses lugares a partir do evento”, afirma Beatriz. Nomes como os da curadora italiana Vanina Saracino e da artista visual argentina Gabriela Golder estão entre os convidados. As inscrições para as conferências já acabaram, mas o EIIC ainda conta com outras atividades.

A Sem Título Galeria recebe a abertura do evento hoje à noite, a partir das 18 horas. Na ocasião, a artista Michelle Mattiuzzi apresenta a performance Merci beaucoup, blanco!, no qual a performer negra pinta seu corpo de branco. Depois, o espaço abre a exposição Francisco de Almeida, que celebra a obra do gravurista nascido em Crateús. Francisco conta que a primeira influência para a criação de suas imagens foi a família. “Nasci num celeiro artístico: tive pai ourives, mãe bordadeira, avó rendeira e avô rezador, curandeiro. As características que geralmente se manifestam na minha obra são de temáticas religiosas e místicas e acredito que seja pelas influências que tive”, considera. Segundo o artista, seu processo de reflexão sobre as próprias imagens é da natureza do divino. “Quando chego na minha mesa, que é onde produzo, o clarão divino surge. É como o ato do poeta. Ele constrói uma frase e sem querer vem a rima. Eu desenho um anjo e sem querer vem uma estrela, outro anjo, uma sereia alada”, divide. A identidade visual do evento é inspirada pela obra de Francisco.

Os dois destaques dão conta de uma das principais preocupações do EIIC: o lugar de onde se criam as imagens. “Há uma enorme necessidade de se pautar isso. Que imagens, que obras, estamos produzindo? Que tipo de sensibilidade estética, ética e política estamos produzindo? As imagens pautam discussões”, considera Beatriz. “Não tem sentido que um trabalho, seja fotográfico, fílmico, de instalação ou nas redes sociais, duplique o mundo. É preciso que ele desloque o mundo, tensione. A arte desregula a forma como vemos as coisas”, afirma.

SERVIÇO

III Encontro Internacional de Imagem Contemporânea

Quando: De hoje, 26, a quinta, 1º

Onde: Em diversos espaço de Fortaleza

Mais informações: www.eiic.ufc.br

JOãO GABRIEL TRéZ