PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Dragão assume Teatro Sesc Iracema

Além de apresentações, o espaço vai receber uma aceleradora de projetos

01:30 | 24/02/2018

 

REFORMA O espaço também deve ser preparado para receber salas de ensaio e um bistrô de espetáculos  TALITA ROCHA
REFORMA O espaço também deve ser preparado para receber salas de ensaio e um bistrô de espetáculos TALITA ROCHA

A partir de abril, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Praia de Iracema) irá incorporar o espaço onde atualmente funciona o Teatro Sesc-Iracema (rua Boris, 90C).

 

O anúncio oficial, feito pelo próprio Sesc no início da tarde de ontem, 23, irá alterar o perfil da programação do equipamento com a instalação, a priori, de uma “aceleradora de projetos culturais” no local.

 

“Nós fomos informados de que o Sesc sairia dali, então fizemos uma avaliação e estudos - primeiramente, na área de música - consultando especialistas. Nesse primeiro momento, iremos trabalhar com startups culturais”, afirmou Paulo Linhares, presidente do Instituto Dragão do Mar.

 

O espaço ganhará, assim, o nome de Porto Dragão, “que será uma mistura de projetos do Porto Iracema com os de ação cultural do Dragão do Mar. Será uma aceleradora de projetos culturais porque no Brasil, para você ter uma ideia, só existem dois projetos assim. Este no Ceará será o terceiro”, complementou.

 

Ainda de acordo com Paulo Linhares, o Dragão do Mar só receberá o teatro no final de março. “Iremos fazer uma reforma para receber uma programação nova porque existem lá o teatro, mas a intenção é que o espaço também possua salas de ensaio e um bistrô de pequenos espetáculos”.

 

A partir da data anunciada, as atividades do Sesc irão seguir para os outras espaços da entidade, bem como praças e ruas de Fortaleza. “O Sesc acredita assim na possibilidade de diversificação e maior alcance de público, proporcionando novas experiências a esse público e aos artistas, enquanto o entorno do atual Sesc Iracema segue fervilhando cultura com atuação e programação já consolidada do Dragão do Mar”, afirma, em nota oficial, a entidade.

 

“Será um desafio pra gente de não deixar aquela área ser tomada pelas confecções”, concluiu Paulo. As atividades no Sesc-Emiliano Queiroz continuarão inalteradas.

Teresa Monteiro