PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Entre a comédia e o drama, Deus Salve o Rei estreia hoje na Globo

Deus Salve o Rei inova ao descolar história de amor para ambiente de guerra entre dois reinos na Idade Média. Comparada à série Game of Thrones, trama equilibra drama e comédia

01:30 | 09/01/2018
FOTOS DIVULGAÇÃO
FOTOS DIVULGAÇÃO

Esqueça o cenário urbano normalmente ambientado no Rio de Janeiro das novelas da Rede Globo. Espere castelos medievais, exércitos em guerra e poderes sobrenaturais. Deus Salve o Rei, nova trama das sete, estreia hoje, 9, e já chega despertando curiosidade nos espectadores pela ambientação que lembra produções como Game of Thrones, série de sucesso mundial da HBO. De autoria de Daniel Adjafre e direção de Fabrício Mamberti, o novo folhetim tem como foco a história de dois príncipes, Afonso (Romulo Estrela) e Rodolfo (Johnny Massaro) que, por motivos diferentes, não querem o trono.

A trama se divide entre dois reinos: Montemor – rico em minério de ferro ­– e Artena – abundante em água. Os dois têm acordo de coexistência em que um fornece recursos para o outro. A paz, porém, é rompida com a morte da rainha de Montemor, Crisélia (Rosamaria Murtinho), avó de Afonso e Rodolfo. O primeiro abdica do trono por paixão pela plebeia Amália (Marina Ruy Barbosa) e o segundo tem medo da coroa e prefere aproveitar as mordomias da nobreza.

“Um cenário tão rico em detalhes retratando a Idade Média por si só já traz um elemento inovador. Mas, para além disso, Deus Salve o Rei se aproxima dos romances de cavalaria, gênero literário tipicamente medieval, tendo o seu auge entre o fim do século XV e o começo do século XVII. Derivados da poesia épica, transformaram-se em narrativas de cavalaria”, aponta Mauro Alencar, doutor em Teledramaturgia Brasileira e Latino-Americana pela Universidade de São Paulo (USP). Para o pesquisador, autor de A Hollywood Brasileira - Panorama da Telenovela no Brasil, a produção estreante trabalha em duas frentes de inovação: temática e narrativa, o que, segundo ele, deve agradar o público ávido por séries e outros produtos audiovisuais.

&nsbp;

Segundo o autor da novela, o folhetim das sete parte de um questionamento central norteador das ações dos personagens. “A principal mensagem da novela é uma pergunta: as escolhas que nós fazemos ao longo da nossa vida podem realmente influenciar no nosso futuro ou é o destino que vai decidir isso? Acho que essa questão está bem discutida ao longo da novela: as escolhas que a gente faz e as consequências delas”, aponta o autor, que estudou dramaturgia no Instituto Dragão do Mar, em Fortaleza, no fim dos anos 1990. “É importante que o telespectador consiga se colocar no lugar daqueles personagens, sejam reis, rainhas, princesas ou plebeus”, aponta.

Marina Moschen vive Selena, que enfrenta o preconceito por ser a primeira mulher na Academia Militar
Marina Moschen vive Selena, que enfrenta o preconceito por ser a primeira mulher na Academia Militar
Comandante Cássio (Caio Blat) ao lado de Afonso (Rômulo Estrela), sucessor do reino de Montemor
Comandante Cássio (Caio Blat) ao lado de Afonso (Rômulo Estrela), sucessor do reino de Montemor

 

 

 

 

 

O risco do novo

Historicamente a faixa das sete na Rede Globo é voltada para narrativas mais “experimentais”, tendo a comédia como constante. Não faltam exemplos de produções que inovaram como Além do Horizonte (2013), que apresentava a história de uma sociedade secreta com direito à monstro que atacava na floresta (o que levantou comparações com o seriado Lost). A produção, porém, foi um fracasso de audiência, assim como Bang Bang (2005), ambientada num faroeste, e O Beijo do Vampiro (2002), protagonizada por seres com poderes especiais. Tanto que, nos últimos anos, a emissora tem focado em tramas urbanas e com poucas inovações de ambientes, como Pega Pega (2017) e Haja Coração (2016).

 

“Acredito que o público está sempre desejoso de uma boa história, de produção que o encante, personagens com os quais ele, o público, poderá identificar-se e, consciente ou não, dividir as suas dúvidas, angústias, fantasias e por meio da arte dramática”, sustenta Mauro, afirmando que, mais importante do que a inovação de formato, é a manutenção de personagens que se conectem diretamente ao telespectador.

Marina Ruy Barbosa dá vida a Amália, feirante de Artena e grande amor do príncipe Afonso
Marina Ruy Barbosa dá vida a Amália, feirante de Artena e grande amor do príncipe Afonso

Sobre a inserção da comédia, Daniel afirma que, apesar do tom de drama, os personagens de Deus Salve o Rei se verão em meio a muitas situações cômicas. “A comédia surge de uma forma mais integrada ao drama, sem que tenhamos um ‘rompimento’ muito forte na transição de um gênero para outro. E o que se destaca é o humor de situação. Os personagens cômicos também têm problemas reais, conflitos, dúvidas. Isso dá uma maior credibilidade a esses personagens, mais empatia”, garante.

 

 

 

RENATO ABê