VERSÃO IMPRESSA

Dia 30 de janeiro marca o Dia do Quadrinho Nacional

Celebrada hoje, 30, a data marca a publicação do primeiro quadrinho no Brasil, obra do pouco lembrado Angelo Agostini, pai do personagem Nhô-Quim

01:30 | 30/01/2018
[FOTO1]

Hoje, 30 de janeiro, é um dia celebrado por muitos leitores de brasileiros pois é o Dia do Quadrinho Nacional. A data marca a produção local de histórias em quadrinhos, seus autores e suas obras. A data foi escolhida em 1984, quando Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas de São Paulo realizou uma pesquisa na Biblioteca Nacional (RJ) e verificou que o Brasil era pioneiro nessa linguagem, por que, neste dia, foi publicado o primeiro quadrinho nacional, numa época em que esse mercado ainda estava se estabelecendo.


Foi descoberto, então, Ângelo Agostini, italiano radicado no Brasil que começou a publicar, em 1867, seus desenhos e charges no Cabrião, jornal de São Paulo. Em 1869, ele se mudou para o Rio de Janeiro, onde fazia uma série no jornal Vida Fluminense. Foi em 30 de janeiro daquele ano que Agostini começou a publicar o que se considera o primeiro quadrinho brasileiro: As aventuras de Nhô-Quim ou Impressões de uma Viagem à Corte. Em página dupla, cada semana ele mostrava Nhô-Quim viajando de Minas Gerais para a corte do Rio de Janeiro. Nhô-Quim completou 145 anos em 2014.


Depois da descoberta, a AQC-SP levou toda a documentação das pesquisas aos órgãos responsáveis para conseguir que esse dia entrasse no calendário oficial como o Dia do Quadrinho Nacional. O que aconteceu um ano depois, em 1985. Desde então, anualmente, a AQC-ESP organiza o Prêmio Ângelo Agostini, que prestigia brasileiros que atuam na produção de histórias em quadrinhos.

[QUOTE1]

Professor de roteiro para quadrinhos, host do podcast HQ Sem Roteiro e mestrando em Comunicação, Pedro PJ Brandão destaca que este dia é interessante para relembrar os motivos políticos por trás. “Comemoramos todos os dias as nossas lutas sociais e nossa forma de expressão artística. O Dia Nacional do Quadrinho, no entanto, realça que a luta pela valorização da arte deve existir”, conta.


Para ele, a arte tem que ser defendida todos os dias para ficar mais forte. Os brasileiros, nesse caso, se destacam quando pesquisam de tudo para desenvolver as suas próprias histórias. “Ângelo observou que os quadrinhos mundiais já tinham se manifestado com várias possibilidades no mundo da arte, no âmbito de contação de história. Ele lançou algo que falava sobre o brasileiro para o brasileiro, além de ler de tudo, como quadrinhos ingleses, japoneses e europeus. Isso o fez ser instruído na nona arte, como grande parte dos outros quadrinistas que vieram depois dele. Os brasileiros possuem esse mérito. Eles leem de tudo e são informados em grande parte das artes. Com isso, eles se destacam em qualquer lugar no mundo”.


Crítico de cinema e quadrinhos do site Cosmonerd, Luke Muniz pontua que, se existe um dia exclusivo para os quadrinhos, há um amor e carinho pela mídia. “Os quadrinhos são responsáveis por base de leitura e alfabetização, usado até em escolas. Poucas, mas usados. A nona arte possui deveras importância desde do entretenimento raso até a crítica mais profunda, considerando a arte, texto, desenho e todo o resto em um espetáculo visual. Cito com facilidade grandes editoras que se dedicam no âmbito dos quadrinhos, como a editora Avec, Red Dragon Comics, Pipoca e Nanquim, MdM. Todos estes prestando trabalhos primorosos”, diz.


Quanto a Agostini, Luke aponta que ele tem muita importância para a cena. “Ele era cartunista e por que não dizer ‘pioneiro’? Apesar da vida misteriosa, ele possui, sim, sua importância. Afinal, se não fossem pioneiros, como subiríamos nas costas dos gigantes para alcançar novos horizontes?”.


O quadrinista e ilustrador Deleon Stu acredita que a data deveria ser celebrada no mesmo nível de filmes e livros. “Ângelo fez muito pela arte. O aspecto de pioneiro é bastante importante pela inovação e visão de mídia que teve. Graças a ele, como outros expoentes também, que podemos ter um cenário que cresce e se consolida a cada ano”.

GABRIEL AMORA

TAGS