PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Caetano Veloso se apresenta hoje ao lados dos filhos no Teatro Riomar

01:30 | 11/01/2018
Caetano com os filhos no palco.
Caetano com os filhos no palco. "Além do nepotismo do bem" DIVULGAÇÃO

A vida familiar de Caetano Veloso sempre foi muito presente no cotidiano brasileiro. A começar pelo berço, a pequena Santo Amaro, cidade do interior baiano, recorrente nas canções do compositor de Reconvexo. Depois tem Dona Canô, a mãe, que tornou-se ilustre figura pública nacional. Nicinha, irmã, que emprestou a voz doce para a gravação de Alguém Cantando, em 1977. Paula Lavigne, esposa e produtora, famosa pelas opiniões fortes. Isso sem falar em Maria Bethânia, a irmã, uma das mais importantes vozes brasileiras.

A essa lista, mais três nomes se juntaram na última década: Zeca, Moreno e Tom, os filhos, em diferentes momentos da lida com a música, desde o amador ao profissional. São esses três que se reúnem com o pai, Caetano, na turnê Caetano Moreno Zeca Tom Veloso, que chega hoje ao Teatro RioMar Fortaleza. “Quero cantar com eles pelo que isso representa de celebração e alegria, sem dar importância ao sentido social da herança. É algo além até mesmo do ‘nepotismo do bem’, na expressão criada por Nelson Motta”, justifica Caetano, em uma carta que publicou sobre o encontro.

Nessa mesma carta, o autor de Um Canto de Afoxé para o Bloco do Ilê, faixa dividida com a voz infantil de Moreno em 1982, conta que foi justamente a partir desse filho que o encontro se formou. Convidados para dividirem um show, Caetano foi tomado pela emoção de tocar em família – numa apresentação que contou até com a participação de alguns netos. Dos três filhos, Moreno, 44 anos, é o que primeiro avançou na carreira de músico. Membro da Orquestra Imperial e do coletivo autoral + 2 (dividido com Kassin e Domenico Lancellotti), ele já tem músicas gravadas por Gal Costa e Adriana Calcanhotto, além dos próprios discos.

Os irmãos de Moreno estão começando a trilhar um caminho que ainda nem se acertou pela música. Segundo o pai, Tom, 20, nem se interessava por música, preferindo o futebol, e até pedia para o pai interromper as canções de ninar. Hoje, ele integra a banda Dônica como compositor e, com ela, lançou um disco em 2015 que carrega influências da época que o pai estava exilado em Londres. E Zeca, 25, é formado em Física, já mexeu com música eletrônica e agora vem experimentando algumas composições solitárias. É dele Todo Homem, faixa lançada como single da nova turnê.

Em Caetano Moreno Zeca Tom Veloso, a família surge enxuta no palco. São apenas os quatro e um punhado de instrumentos. A mesma simplicidade respinga na iluminação e no cenário. No repertório, todos aparecem como compositores e intérpretes, e sobram referências e entrelinhas. Você me Deu, de Zeca e Caetano, foi lançada por Gal Costa e funciona como uma homenagem à madrinha de Moreno. O mesmo com O Seu Amor, de Gilberto Gil, que celebra esse irmão de vida e música de Caetano. Já Boas Vindas, de 1991, foi escrita para celebrar o nascimento de Zeca Veloso, assim como Ofertório celebra a religiosidade de Dona Canô. Sem previsão de lançamento, o show já tem promessa de ser lançado em CD e DVD.

SERVIÇO

 

Show Caetano Moreno Zeca Tom Veloso

Quando: hoje, 11, às 21 horas

Onde: Teatro RioMar Fortaleza

*ingressos esgotados

 

MARCOS SAMPAIO