VERSÃO IMPRESSA

Retrospectiva. Um ano para dizer adeus

O ano que finda foi marcado por óbitos históricos. Sérvulo Esmeraldo, Belchior, Rogéria, Russo, Kid Vinil e Luiz Melodia são apenas algumas das personalidades que morreram.

01:30 | 26/12/2017
Vida Alves (3/1) 
 
Estrela do primeiro beijo na televisão brasileira, a atriz morreu aos 88 anos Ela teve falência múltipla de órgãos e morreu em um hospital, no interior de São Paulo. Vida também deu o primeiro beijo entre duas mulheres na televisão, durante o teleteatro Calúnia, na TV Tupi. 
 
Zygmunt Bauman (9/1) 
 
Considerado o pai da modernidade líquida, Bauman morreu aos 91 anos, na Polônia. Filósofo e sociólogo, ele era um dos nomes mais reconhecidos da intelectualidade. Nascido em 19 de novembro de 1925, em Poznan, Bauman serviu na Segunda Guerra Mundial e tem uma extensa biografia com reflexões sobre a sociedade e as mudanças do mundo. Sua principal teoria, a "liquidez" das relações sociais na modernidade e pós-modernidade, abriu um vasto campo de estudos para as mais diferentes áreas. 
 
Loalwa Braz Vieira (19/1) 
 
Conhecida como a voz da lambada e vocalista do Kaoma, ela foi encontrada morta dentro de um carro incendiado na região dos Lagos do Rio. Três homens foram autuados pelo crime de latrocínio, roubo seguido de morte. A cantora de 63 anos ficou famosa pelo hit Chorando se foi. 
 
John Hurt (27/1) 
 
Duas vezes indicado ao Oscar, o lendário ator de 77 anos lutava contra um câncer no pâncreas. Em 60 anos de carreira, estrelou longas de sucesso como "O homem elefante" e filmes da saga "Harry Potter". Hurt recebeu, em 2015, a comanda de cavaleiro da Ordem do Império Britânico da rainha da Inglaterra, ostentando desde então o título de Sir. 
 
Russo (28/1) 
 
Antônio Pedro de Souza e Silva, mais conhecido como Russo, foi um dos assistentes de palco mais notórios da televisão. Assessorou apresentadores como Chacrinha, Faustão, Xuxa, Angélica e Luciano Huck. Morreu aos 85 anos, após passar uma semana internado no Rio de Janeiro para tratar uma infecção pulmonar. Ele tinha saúde frágil e foi diagnosticado com o Mal de Alzheimer. 
 
Sérvulo Esmeraldo (1º/2) 
 
[FOTO2] O senhor das linhas geográficas morreu no dia 1º de fevereiro. Após intensa batalha no hospital, Sérvulo Esmeraldo morreu assistido por Dodora Guimarães, sua esposa e guardiã. Nascido no Crato, o artista ganhou o mundo. Com a notoriedade internacional, ele colocou a cidade na rota das artes visuais. O artista plástico manteve produção intensa durante toda a vida. Desde o fim da década de 1970, morava na capital cearense, palco de vários trabalhos de Sérvulo, dialogando sempre com conceitos de arte pública e esculturas efêmeras. Atualmente, Dodora se dedica a recuperação e revitalização de obras públicas de Sérvulo espalhadas por Fortaleza. 
 
Chuck Berry (18/3) 
 
O guitarrista morreu aos 90 anos, no estado de Missouri, no Estados Unidos. Foi o pioneiro do Rock n’ Roll e desde os anos 1950 continuava na ativa. Ele era conhecido por sucessos como "Roll Over Beethoven" e "Sweet Little Sixteen", e ajudou a moldar o gênero rock n' roll. 
 
Jerry Adriani (23/4) 
 
Vítima de câncer, o cantor morreu aos 70 anos, no Rio de Janeiro. Jerry começou a sua vida profissional em 1964, com a gravação do seu primeiro LP, Italianíssimo, e no mesmo ano gravou seu segundo LP, Credi a Me. Lançou dezenas de discos e emplacou grandes sucessos. 
 
Belchior (29/4) 
 
[FOTO3] Domingo, 30 de abril. A notícia impensável acordou Fortaleza logo cedo. O cantor e compositor Belchior - que estava no autoexílio há anos - morreu no Rio Grande do Sul. O POVO foi o primeiro veículo a noticiar a despedida que parecia impensável. O artista que há muito havia relegado os palcos foi vítima de um ataque cardíaco. Nascido em Sobral, ele conheceu a fama na década de 1970 e é responsável por composições notórias como Como Nossos Pais, gravada por Elis Regina. Belchior  gravou discos, emplacou sucessos, colecionou namoradas e compôs hinos que atravessaram gerações. O velório foi dividido em duas partes: primeiro o Teatro São João, em Sobral, e depois o Centro Dragão do Mar, em Fortaleza. Belchior é um ícone atual. E sua morte pautou a agenda cultural durante meses - com shows, homenagens e releituras. 
 
Almir Guineto (5/5) 
 
O sambista carioca  de 70 anos morreu em decorrência de complicações trazidas por problemas renais crônicos e pelo diabetes. Vindo do Morro do Salgueiro, Almir foi um dos fundadores do Grupo Fundo de Quintal, na década de 1980, ao lado de Bira, Jorge Aragão, Neoci, Sereno, Sombrinha e Ubirany. Entre as músicas conhecidas estão Lama nas Ruas e Mel na Boca e Conselho. 
 
Nelson Xavier (9/5) 
 
O artista tinha mais de 50 anos de carreira no teatro, cinema e televisão. Entre seus papéis mais marcantes está o do médium Chico Xavier, que ele interpretou em dois filmes nacionais. O ator tinha 75 anos e a causa da morte não foi divulgada. 
 
Kid Vinil (20/5) 
 
O artista nasceu em 10 de março de 1955 na cidade paulista de Cedral e fez sucesso nos anos 1980 com o grupo de rock Magazine, com a qual lançou músicas como Tic Tic Nervoso, Sou Boy e Come. Cantor, radialista, compositor, apresentador, jornalista e produtor, ele era uma referência no meio musical. Morreu aos 62 anos, vitimado por uma parada cardíaca. 
 
Roger Moore (23/5) 
 
Ator britânico ganhou fama internacional como James Bond em sete filmes. Ninguém interpretou o agente secreto tantas vezes. Em 89 anos de vida, realizou trabalhos humanitários, ganhou condecorações e muito dinheiro. Ele foi vitimado por câncer. 
 
Caio Porfírio Carneiro (17/7) 
 
O cearense teve sua obra traduzida para diversas línguas e colecionava prêmios literários. Morreu aos 89 anos, deixando um legado intelectual inestimável. Publicou 22 livros nos gêneros conto, novela, romance, poesia e infanto-juvenil. Alguns deles alcançaram várias edições. 
 
Chester Bennington (20/7) 
 
Vocalista da banda norte-americana Linkin Park, ele morreu aos 41 anos em circunstâncias trágicas. Nascido em Phoenix, no Arizona, Chester sempre falou abertamente sobre o vício de drogas e álcool, luta que travou desde a adolescência, após ter sido abusado sexualmente. 
 
John Heard (21/7) 
 
Conhecido por interpretar Peter McCllister em "Esqueceram de mim", John Heard morreu aos 72 anos em decorrência de uma doença no coração que o levou a uma parada cardíaca. O currículo do ator consta mais de 200 trabalhos, entre peças de teatro, filmes e séries de TV. 
 
Luiz Melodia (4/8) 
 
Desde 2016, o músico fazia tratamento contra o câncer e chegou a fazer um transplante de medula óssea. Morreu aos 66 anos, no Rio de Janeiro. O último trabalho do cantor, “Zerima”, foi lançado em 2014. 
 
Paulo Silvino (17/8) 
 
O humorista famoso pela atuação na Rede Globo morreu aos 78 anos, no Rio de Janeiro, em decorrência de um câncer no estômago. Integrando o elenco da emissora por 50 anos, ele participou de programas como "Planeta dos Homens" e "Viva o Gordo". O personagem mais marcante é o porteiro Severino, no programa humorístico “Zorra Total”. 
 
Jerry Lewis (20/8) 
 
Um dos maiores comediantes da história, ele morreu aos 91 anos, em sua casa, em Las Vegas. Tornou-se famoso por suas comédias estilo pastelão feitas nos palcos, filmes, programas de rádio e TV e em suas músicas. Lewis também é conhecido por seu programa beneficente anual, o Jerry Lewis MDA Telethon, com o objetivo de ajudar crianças com distrofia muscular. 
 
Rogéria (4/9) 
 
[FOTO1] A atriz marcou diversas gerações e foi uma das primeiras transformistas brasileiras. A irreverência deu a ela as honras de dama da TV e do teatro brasileiro. A atriz morreu aos 74 anos, no Rio de Janeiro, em decorrência de um choque séptico. Batizada como Astolfo, a atriz mudou de nome em 1964, durante um concurso de fantasias de Carnaval. 
 
Marcelo Rezende (16/9) 
 
Aos 65 anos, o apresentador vivia uma luta contra um câncer no pâncreas. Morreu em São Paulo, no Hospital Moriah. Após ter iniciado sua carreira como repórter, teve suas primeira experiência marcante como apresentador no Linha Direta, da Globo, ao fim da década de 1990. Em seguida, acumulou passagens por RedeTV!, Bandeirantes e Record TV, última emissora pela qual passou, e na qual ficou conhecido por seu trabalho à frente do Cidade Alerta. 
 
Pedro Lyra (23/10) 
 
Escritor, poeta e professor universitário, Pedro Lyra morreu após sofrer um infarto. O cearense estava no interior do Rio de Janeiro e tinha 72 anos. 
 
Márcia Cabrita (10/11) 
 
Conhecida nacionalmente por seus papéis cômicos na televisão, a atriz Márcia Cabrita morreu ontem, no Rio, aos 53 anos, em decorrência do agravamento de um câncer de ovário.  Pouco antes, ela havia atuado na novela global Novo Mundo. Um dos papéis mais lembrados da carreira é a empregada Neide Aparecida do humorístico Sai de baixo. 
 
David Cassidy (21/11) 
 
Ícone da década de 1970, o ator David Cassidy morreu aos 67 anos, nos Estados Unidos, vítima de insuficiência hepática. Ele estrelou a série de televisão "A Família Dó-Ré-Mi", exibida entre 1970 e 1974. A produção mostrava uma viúva (Shirley Jones) e seus filhos, que formaram um grupo de rock'n roll. David também lançou 12 álbuns e vendeu quase 30 milhões de discos. 
 
Eva Todor (10/12) 
 
Nascida Eva Fodor, tornou-se uma atriz brasileira de teatro, cinema e televisão. Veio da Hungria e mudou de nome no Brasil. Em 2012, participou de sua última novela - Salve Jorge, trama de Gloria Perez. A atriz de 98 anos morreu em sua casa, no Rio, vitimada por uma pneumonia.

TAGS