PUBLICIDADE
Jornal

Dona Zefinha com músicas cearenses e 'invocadas'

A banda leva ao Cineteatro São Luiz o espetáculo Invocado que só, com músicas de compositores cearenses, e faz homenagem a Evaldo Gouveia

08/07/2017 01:30:00
NULL
NULL
[FOTO1]
Com releituras de composições “invocadas” e que mostram o jeito cearense de ser. É assim que a banda Dona Zefinha sobre ao palco com o espetáculo Invocado que só. O show já passou por cidades, como São Paulo e Sobral, e volta à Fortaleza em apresentação no Cineteatro São Luiz.

 

O espetáculo nasceu junto ao lançamento do livro-CD Invocado - Um jeito brasileiro de Ser musical” escrito por Flávio Paiva, jornalista e colunista do Vida&Arte. O livro explica “porque a música cearenses é uma música invocada”, conta Orlângelo Leal, guitarrista e fundador da Dona Zefinha. “A nossa música (cearense) porta diversos estilos porque temos influências múltiplas, somos do mar, da serra, do sertão, é da própria formação musical do cearense e acaba reverberando para os compositores”, completa.


Nesse projeto, o grupo fez novas leituras de clássicos como Flor do Mamulengo, de Luís Fidelis, e A Rural, de Neo Pinel. “Nós temos essa pegada world music, tocamos cumbia, bolero, e, ao mesmo tempo, um forró. Regravar as músicas foi muito divertido. Para mim, particularmente, quando entrei no estúdio para gravar Flor do Mamulengo, me lembrei de quando vi o lançamento desse disco la em Juazeiro”, relembra Orlângelo.

[QUOTE1]

O show foi montando, pela primeira vez em 2014, e de lá pra cá, já recebeu nomes como Messias Holanda e Abidoral Jamacaru. Na apresentação deste domingo, a apresentação terá a participação especial do compositor cearense Evaldo Gouveia, que irá cantar algumas de suas composições e ainda receberá uma homenagem. A música Alguém Me Disse, de Evaldo e Jair Amorim, faz parte do repertório. Esta é a primeira vez que a banda trabalha de perto com o compositor.


“Na noite, a gente acaba de alguma forma tocando muitas das canções dele. Nos ensaios para o show, foram a primeira vez que tive contato com o Evaldo. A nossa banda já tocou muita coisa dele, mas nem sabia que eram e passamos a conhecer agora”, conta Orlângelo.


O compositor já teve canções entoadas por vozes como Àngela Maria, Agnaldo Rayol, Jair Rodrigues, Nélson Gonçalves. Aos 88 anos, ele segue compondo. “O mais bacana foi ver o Evaldo mostrando novas composições em tango, fado, forró. Este é um encontro de gerações e o espetáculo é para fortalecer esse encontro”.


SERVIÇO

 

“Invocado que só” – Dona Zefinha e participação de Evaldo Gouveia

Quando: domingo, 9, às 18 horasOnde: Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500)

Quanto: R$ 20 (inteira)

Outras informações: (85) 3231-9461

 

Larissa Pacheco

TAGS