PUBLICIDADE
Jornal

Tempo das Delicadezas: a música como presente

22/06/2017 01:30:00
NULL
NULL
[FOTO1]

Há música habitando no íntimo de cada pessoa. Acreditando nesse propósito, o escritor cearense Flávio Paiva incentivou a mãe, Socorro Paiva, a iniciar aulas de musicalização. O ano era 2015 e ela havia acabado de chegar a Fortaleza para morar em definitivo. Vinha dos encantos do sertão de Independência, onde o acesso aos aparelhos de som era escasso. A morte recente do marido havia aberto uma lacuna na rotina. Ela começou, então, a jornada de duas vezes por semana frequentar uma escola de música.


Dona Socorro aceitou fazer as aulas de imediato e aprendeu mais do que notas ou técnicas. Descobriu o mundo que havia dentro de si, repleto de canções e referências únicas. Angelita Ribeiro, docente e diretora da escola, fez um trabalho dedicado e delicado de colocar a nova “aluna” em contato com a diversidade musical. Mesclando desde cantigas nordestinas a cançonetas húngaras e chilenas e temas folclóricos, ela abriu as portas de um universo tão misterioso quanto encantador. “Nós escolhemos um repertório adequado para a voz dela. Ela canta, acompanha, faz percussões”, explica Angelita.


O resultado dessa imersão foi reunido em disco de oito faixas, produzido por Flávio como presente aos 80 anos da mãe. Uma surpresa preparada com o apoio da professora Angelita, que realizou as gravações em segredo durante as aulas; dos músicos Tarcísio Sardinha e Adelson Viana, que a partir da trilha original criaram acompanhamento das canções com sanfona e violão; do flautista e Giltácio Santos; e de Lucas e Artur Paiva, netos de Socorro, responsáveis pelo violão em uma das canções. Os músicos não tiveram qualquer contato com Dona Socorro para além da voz e das canções.


O disco, denominado O Vento Vai Longe -Socorro Paiva 80 anos, chegará ao conhecimento da homenageada apenas hoje, 22, no dia de seu aniversário de 80 anos. O processo feito em sigilo possibilitou, explica Flávio, que fosse priorizada a captura “do sentimento e não apenas da qualidade técnica da gravação”.


Dona Socorro, portanto, não sabia que as gravações realizadas durante as aulas teriam esse fim. Cantou e musicalizou com a alma aberta ao improviso, ao erro, ao inusitado. “O importante é o prazer de fazer, a descoberta de que pode fazer. E o trabalho incrível de memória e de coordenação”, explica Angelita, que tem alunos de até 90 anos na escola de música. “O principal é ter o contato musical envolvido numa afetividade incrível. É o prazer de fazer, de descobrir o que pode fazer, de ser capaz”, explica.


O disco não será vendido. Além da própria homenageada, amigos e parentes de dona Socorro vão receber esse sonoro presente musical. (Isabel Costa)

 

 


 

Adriano Nogueira

TAGS