PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Ações transformadoras inspiram prêmio

01:30 | 12/06/2017
O músico Hermeto Pascoal é um dos premiados pelo Itaú Cultural DIVULGAÇÃO
O músico Hermeto Pascoal é um dos premiados pelo Itaú Cultural DIVULGAÇÃO

O Instituto Itaú Cultural premia hoje à noite, em São Paulo, dez personalidades brasileiras que tenham desenvolvido, ao longo das últimas três décadas, ações consideradas transformadoras para a arte e a cultura no País. A premiação é uma das atividades de celebração dos 30 anos do instituto. Segundo o Itaú Cultural, o prêmio é inédito e de edição única.

Dividido em cinco categorias - Criar, Inspirar, Experimentar, Mobilizar e Aprender - , o prêmio vai agraciar com R mil cada um dos nomes escolhidos por comissão julgadora formada por gestores do próprio instituto, além de profissionais de diferentes áreas de expressão, como a pesquisadora Heloisa Buarque de Hollanda, a escritora Ana Maria Gonçalves e o crítico de arte Agnaldo Farias.

Na categoria Criar, foram escolhidos a coreógrafa paulista Lia Rodrigues, que mantém companhia de dança no complexo de favelas da Maré, no Rio de Janeiro, e o artista popular alagoano Cícero Alves dos Santos, conhecido como Véio. Na categoria Aprender, os agraciados serão a arte educadora Ana Mae Barbosa, do Rio de Janeiro, e o capoeirista Gilson Santana, o Mestre Meia-Noite, fundador do Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo, de valorização da cultura africana em Pernambuco.

O multi-instrumentista Hermeto Pascoal receberá o prêmio na categoria Experimentar, ao lado da companhia Teatro da Vertigem (SP), grupo cênico contemporâneo. Os nomes selecionados para o prêmio Inspirar são os da professora e assistente social Eliana Sousa Silva, fundadora da instituição Redes de Desenvolvimento da Maré (RJ), que realiza um trabalho de conexão entre comunidade, poder público e sociedade civil no complexo formado por 16 favelas no Rio, e o da arqueóloga Niède Guidon, administradora do Parque Nacional da Serra da Capivara (PI), considerada a guardiã de relíquias pré-históricas no Brasil.

Na última categoria, Mobilizar, o xamã e líder político dos ianomâmis, Davi Kopenawa, e a ativista do movimento negro Sueli Carneiro, criadora do Geledés - Instituto da Mulher Negra e do programa S.O.S Racismo foram os escolhidos.

A cerimônia de entrega dos prêmios acontecerá hoje, a partir das 20 horas, no auditório Ibirapuera - Oscar Niemeyer, intercalado com intervenções artísticas.