VERSÃO IMPRESSA

Obra de H.G Wells entra em domínio público no Brasil com novas edições

Em domínio público desde o início de 2017, obras de H.G. Wells são reeditadas no Brasil. O Homem Invisível, lançada em edição comentada, brinca com um de nossos maiores desejos

01:30 | 04/03/2017

Ao lado de nomes como Gertrude Stein e Frank O’ Hara, o britânico H. G. Wells teve sua produção literária somada aos títulos de domínio público no Brasil. De acordo com nossa legislação patrimonial, os direitos autorais duram por 70 anos, contados a partir do ano subsequente ao falecimento do autor. Com liberdade para a produção de cópias e reproduções, começam a aparecer reedições de seus grandes romances.


Lançado pela Editora Zahar no início do ano, O Homem Invisível, publicado originalmente por Wells em 1897, é um dos títulos mais populares do autor que ajudou a definir as bases da ficção científica com obras como A Ilha do Dr. Moreau e A Guerra dos Mundos. A edição, comentada e em capa dura, traz texto integral, quase cem notas de rodapé, cronologia de vida e obra do autor e a apresentação As Desvantagens de Ser Invisível, escrita pelo editor e tradutor Thiago Lins.


Adaptado em diversas ocasiões para cinema, TV e teatro, O Homem Invisível narra a chegada de um forasteiro de rosto enfaixado e corpo coberto à pacata vila de Iping, no distrito de Chichester, na Inglaterra. Hospedado na pensão local, o protagonista da história chama atenção e altera a rotina de seus moradores. Todos querem saber quem é a figura misteriosa e de humor oscilante que gasta seus dias trancado no quarto com tubos de ensaio e substâncias químicas.


Pouco a pouco, à medida que a curiosidade dos nativos aumenta, o leitor começa a descobrir detalhes da história recente do personagem e a vislumbrar as motivações que o levaram até aquele lugar. Jovem cientista às voltas com seus experimentos particulares, acaba descobrindo um processo químico capaz de transformar pessoas em seres invisíveis, e passa a desfrutar das oportunidades que sua nova condição oferece até perceber a irreversibilidade da situação.


O homem invisível, então, esconde-se sob um disfarce -rosto enfaixado, óculos escuros e nariz falso - e viaja até o vilarejo decidido a descobrir uma forma de voltar a existir. Não quer mais que um quarto vazio, mas a desconfiança da dona da estalagem em que se hospeda e a curiosidade dos habitantes do local o impelem a uma série de atos que culminará com uma fuga apressada e um alerta de perigo espalhada pela região.


Essa fuga desesperada sela o destino do homem invisível e o lança em uma espiral de ódio e vingança. É como reflexo à ação dos outros que o jovem, outrora curioso e diligente, abandona suas pretensões de solução científica e se transforma em um assassino voraz. Agora, quando não mais o interessa a reversão da invisibilidade, tudo o que resta é a aceitação do castigo e a fome de monstro.


Com sua história fantástica, Wells recicla as bases do questionamento que nasceu com o Frankenstein de Shelley e que depois seria tantas vezes explorado pelos autores de ficção-científica: em uma sociedade que custa a aceitar a diferença e que sepulta a diversidade sob olhares de culpa e desconfiança, quem é o verdadeiro monstro? Sem querer justificar as atitudes de seu protagonista, mas fazendo questão de inseri-las dentro de um quadro social atroz, o autor constrói uma fábula que assusta pela sua pertinência.


NO CINEMA


O HOMEM INVISÍVEL (1923)

Dirigido por Roland West, conhecido por seu cinema noir das décadas de 1920 e 1930, foi elogiado pela Variety como um dos melhores filmes de mistério da época.

 

O HOMEM INVISÍVEL (1933)

Considerado um dos grandes filmes de horror da Universal, contou com inovadores efeitos especiais para a época e foi um dos mais fiéis ao texto original de Wells.

O HOMEM SEM SOMBRA (2000)

Clássico da TV aberta, foi dirigido por Paul Verhoeven e traz o ator Kevin Bacon no papel do cientista que fica invisível. Foi indicado ao Oscar de efeitos especiais.

ALIGA EXTRAORDINÁRIA (2003)

Baseado em um romance gráfico, o filme reuniu grandes personagens da literatura mundial, como a vampira Mina Hacker, o imortal Dorian Gray e o homem invisível.

 

SERVIÇO

 

O Homem Invisível, de H. G. Wells,

200 páginas

Preço: R$ 49

Editora Zahar

 

JÁDER SANTANA

TAGS