PUBLICIDADE
Jornal

O SANTO Santa Perpétua e Santa Felicidade

Perpétua era de família nobre, tinha 22 anos e era mãe de uma criança. Felicidade era sua escrava. Ambas foram presas em 202, quando o imperador Severo instituiu a obrigatoriedade de idolatrar os falsos deuses que ele cultuava. Perpétua e Felicidade não negaram a crença e foram mandadas para o martírio. Como o pai de Perpétua era um homem influente em Roma, conseguiu a liberdade da filha caso ela negasse Cristo. Assim ela respondeu ao pai: "Pai, como se chama esta vasilha que há aí na frente?" "Uma bandeja", respondeu o pai. "Pois bem, essa vasilha deve ser chamada de bandeja, e não de pote ou colher, porque é uma bandeja. E eu que sou cristã, não posso me chamar pagã, nem de nenhuma outra religião, porque sou cristã e o quero ser para sempre". Aós um ano de prisão, foram enviadas para a arena onde seriam atacadas por uma vaca enfurecida e depois degoladas.

TAGS