PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Ponto de vista: Os recados de Rodrigo Maia, para dentro e para fora

11/07/2019 00:57:14

É simples de constatar: o governo de Jair Bolsonaro, apesar do uso e abuso de velhas práticas políticas que ele garantira encerrado com sua chegada ao poder, não conseguiria aprovar sua Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que reforma o sistema de Previdência Social sem o apoio firme e decisivo do presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Muito menos o faria com a folgada vantagem de 248 votos, registrada depois de contados os 379 "sim" e os 131 "não".

Um conjunto de razões acumuladas ao longo dos meses de tramitação da polêmica matéria na Câmara nos leva a apontar o influente deputado fluminense como o real articulador da matéria. Especialmente nos momentos em que a ideia de aprovação parecia balançar, a pronta intervenção de Rodrigo Maia colocava as coisas nos eixos. Às vezes, até, se indispondo com gente do próprio governo para manter sob controle votos de parlamentares atingidos pela má articulação dos atabalhoados líderes que falam e agem na Casa em nome do Palácio do Planalto.

Nesse sentido, pareceu importante o gesto inusual de deixar o espaço imponente na mesa que ocupa para comandar os trabalhos e se dirigir à tribuna comum a todos para, como ato de finalização alegórica da votação do texto-base, fazer um discurso repleto de carraspanas políticas e de recados simbólicos. Alguns deles claros e nominados, outros ainda a exigir interpretação melhor apurada.

Descreio na capacidade do pessoal que pensa politicamente o governo Bolsonaro de compreender exatamente o que Rodrigo Maia quis dizer através das entrelinhas de sua fala emocionada em direção aos colegas de parlamento e, àquela altura, também ao País. Para além do ambiente do Congresso, porém, é um tanto aliviadora a sensação de que alguém na linha institucional de primeiro nível do País demonstra alguma noção de entender o próprio papel, independente de visão ideológica, na dramática travessia do momento grave que a história brasileira registra.

Guálter George