PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

Violência no trânsitoafeta permanentemente a vida de mais de 18 mil pessoas no Ceará

| SEGURO DPVAT | O dado - 18 mil pessoas afetadas permanentemente no Ceará - corresponde a 79,12% dos pedidos gerais de indenização recebidos. Mas já foi pior

15/04/2019 07:41:07
Moto caída após acidente. Colisão entre uma moto e um veículo no cruzamento na avenida Silas Munguba com rua Teixeira Leite.
Moto caída após acidente. Colisão entre uma moto e um veículo no cruzamento na avenida Silas Munguba com rua Teixeira Leite. (Foto: Foto: Deivyson Teixeira/O POVO)

Mais de 18 mil vítimas do trânsito cearense ficaram com sequelas permanentes no ano passado. O número corresponde a 79,12% dos pedidos de indenização recebidos (22.864) pela Líder, que administra o Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (Dpvat). Numa comparação simples, equivale à estimativa de quase toda a população residente em Reriutaba (18.945) — município do Noroeste do Estado — em 2018.

Contudo, embora o dado puxe o Ceará para o topo do ranking dos estados do Nordeste com mais indenizações pagas pelo Dpvat, a situação regional já foi excessivamente pior. Há cinco anos, em 2014, 74.741 ressarcimentos foram pagos, também, por

invalidez permanente.

Brusca, a queda de 75,7% no número de indenizações provocadas por essa motivação não tem uma só justificativa. Arthur Froes, superintendente de Operações da Líder, atribui, por exemplo, ao endurecimento da legislação de trânsito no que diz respeito ao aumento da quantidade de radares eletrônicos de velocidade instalados no Brasil e à obrigatoriedade de equipamentos e dispositivos de segurança como capacete, airbag (bolsa inflável que reduz o impacto de uma colisão) e freios ABS. Não descartou a influência da recessão econômica.

Arthur comentou, também, que as sequelas mais comuns informadas pelos solicitantes do seguro são lesões nos membros inferiores e superiores e traumatismos cranioencefálicos. "A maioria (das ocorrências graves) atinge as pernas, que é o primeiro ponto de impacto quando um motociclista cai, quando um pedestre é atingido ou quando se está sentado no carro".

Renato Campestrini, gerente técnico do Observatório Nacional de Segurança Viária, lembra, ainda, que, desde 2014, a Lei Seca tornou a fiscalização mais intolerante e a penalidade mais cara para quem dirige tendo consumido qualquer quantidade de álcool. Mesmo assim, o especialista ressaltou que ocorrências de trânsito geram no País um impacto financeiro negativo de pelo menos R$ 52 bilhões ao ano. Além de que "pessoas sequeladas têm condições de vida alteradas" e algumas vão precisar, também, de recursos da Previdência.

Junto às mudanças de comportamento provocadas pela lei e na contramão do crescimento da frota de veículos no Ceará, as ocorrências de trânsito, de fato, caíram 28% entre 2014 e 2018, saindo de 3.523 ocorrências para 2.571, segundo estatísticas da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) compiladas pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE). Relativas a mortos e feridos, as quedas foram, respectivamente, de 36% e 24%.

Clique na imagem para abrir a galeria
  • Sem educação, bicicletas podem vir a ser tão perigosas quanto motos
  • Atendimentos na rede de saúde pública diminuem
  • Dpvat: quanto custa uma indenização?

    Por invalidez permanente

    até R$ 13,5 mil (proporcional à gravidade da lesão)

    Por despesas médicas

    até R$ 2,7 mil

    Por morte

    R$ 13,5 mil

    Quem paga

    todo proprietário de veículo.

    Fonte: Seguradora Líder 

    Socorro

    O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) atendeu a 16.768 ocorrências de trânsito em 2018. As principais envolvendo motocicleta.

    LEIA AMANHÃ

    Como fica o cotidiano das pessoas que se lesionam permanentemente no trânsito? Amanhã, O POVO conta histórias de vidas atravessadas pela imprudência nas estradas

    Fraudes no Dpvat

    Em 2018, o Ceará ficou no topo da lista dos estados brasileiros que mais fraudaram pedidos de indenização. Foram 2.771 ocorrências registradas pela Seguradora Líder.

    Luana Severo