PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Ceará pode perder 448 profissionais sem os médicos cubanos

Saída de Cuba do programa significa risco de desassistência, especialmente em áreas afastadas de grandes centros. No Estado, profissionais cubanos atendem em 118 municípios

01:30 | 15/11/2018

PROGRAMA Mais Médicos no Ceará tem cubanos atuando em quase um terço dos postos abertos (Foto: Camila de Almeida/ O POVO)
PROGRAMA Mais Médicos no Ceará tem cubanos atuando em quase um terço dos postos abertos (Foto: Camila de Almeida/ O POVO)
A cobertura de atendimento médico na cidade de Monsenhor Tabosa (a 311 km de Fortaleza) só foi possível depois do Mais Médicos. Lá, dos nove profissionais do programa, sete são cubanos: quatro na cidade e três nos distritos indígenas. "Agora não sei o que fazer diante dessa situação", explica Celi Bezerra Saraiva, titular da Secretaria da Saúde do município. Ela se refere à decisão do governo cubano que informou ontem a saída do programa Mais Médicos do Brasil após declarações "ameaçadoras e depreciativas" do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). 

No Ceará, 118 municípios serão atingidos. De acordo com a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), no mês de outubro havia 1.229 profissionais no Ceará pelo Mais Médicos. Desse total, 448 são cubanos, a maioria atuando em áreas de vulnerabilidade, reservas indígenas e distritos distantes. É o caso de Tucunduba, distrito de Caucaia. Lá, o posto de saúde conta com uma profissional do programa. "É uma médica que realmente observa o paciente, examina bem", afirma a auxiliar operacional Emery Forte, 29, que esta semana chegou a buscar atendimento. Ela acredita que a mudança pode complicar bastante no atendimento de saúde local. "As pessoas hoje conseguem ter acesso a uma profissional excelente, todos os dias, sem precisar ir ao centro de Caucaia (distante 24 km)".

Cuba tomou a decisão de solicitar o retorno dos 8.332 médicos que trabalham hoje no Brasil depois que Bolsonaro questionou a preparação dos profissionais e condicionou a permanência "à revalidação do diploma", além de ter imposto "como via única a contratação individual".

O Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 municípios ? cobertura de 73%. Quando são abertos chamamentos para o programa, a seleção segue ordem de preferência: médicos com registro no Brasil (formados em território nacional ou no exterior, com revalidação do diploma no País); médicos brasileiros formados no exterior; e médicos estrangeiros formados fora do Brasil. Após as primeiras chamadas, caso vagas não sejam ocupadas, os profissionais de Cuba são convocados.

O POVO tentou contato com médicos cubanos, que não se pronunciaram sobre a decisão.

Carlile Lavor, diretor da Fiocruz Ceará, concorda com a necessidade de revalidação e acredita que existem profissionais brasileiros disponíveis para essas funções.

Para Juliana de Paula, doutora em saúde global e sustentabilidade pela Universidade de São Paulo (USP), a retirada abrupta dos médicos cubanos acarreta numa série de problemas. A situação é vista como "um dos maiores golpes à saúde brasileira". "Isso vai resultar em atendimentos inacabados, agravamento de casos que estavam sendo acompanhados", afirma.

O Ministério da Saúde, em nota, informou que "tranquiliza a população que adotará todas as medidas para que profissionais brasileiros estejam atendendo no programa de forma imediata". 

Médicos cubanos nos municípios do Ceará

21 - Morada Nova

19 - Iguatu

15 - Fortaleza

13 - Itapajé

11 - Granja e Limoeiro do Norte

10 - Acaraú e Acopiara

9 - São Benedito, Sobral, Tamboril e Viçosa do Ceará

8 - Camocim e Guaraciaba do Norte

7 - Crateús, Icó, Ipu, Parambu e Tianguá

6 - Bela Cruz, Cedro, Ibiapina, Ipueiras, Itarema, Marco e Uruoca

5 - Independência, Pacajus, Reriutaba, Santa Quitéria e Senador Pompeu

4 - Baturité, Itatira, Jaguaribe, Monsenhor Tabosa, Moraújo, Morrinhos, Nova Russas, Pereiro, Poranga, Tauá e Ubajara

3 - Amontada, Ararendá, Cariré, Chorozinho, Horizonte, Iracema, Irauçuba, Itapipoca, Itapiúna, Jaguaretama, Miraíma, Mombaça, Piquet Carneiro, Quiterianópolis, Quixeramobim, Santana do Acaraú e Várzea Alegre

2 - Altaneira, Assaré, Barroquinha, Canindé, Cariús, Carnaubal, Coreaú, Deputado Irapuan Pinheiro, Forquilha, Frecheirinha, Hidrolândia, Jaguaribara, Meruoca, Mucambo, Novo Oriente, Pacatuba, Palmácia, Pedra Branca, Pentecoste, Pires Ferreira, Quixadá, Russas, São Gonçalo do Amarante, Solonópole e Tabuleiro do Norte

1 - Alcântaras, Arneiroz, Barreira, Boa Viagem, Campos Sales, Capistrano, Catunda, Caucaia, Chaval, Choró, Croatá, Cruz, Ererê, Fortim, Graça, Ipaporanga, Jaguaruana, Jucás, Lavras da Mangabeira, Madalena, Maranguape, Martinópole, Mulungu, Ocara, Orós, Pacoti, Palhano, Paracuru, Pindoretama, Saboeiro, Senador Sá, Tururu, Umirim e Uruburetama

5 - Distrito Sanitário Especial Indígena

Total: 448

EDUARDA TALICY | ISAAC DE OLIVEIRA