PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Cid cobra mea culpa do PT, bate boca com militantes e é vaiado

| ATO PRÓ-HADDAD | Durante encontro da campanha de Fernando Haddad no Ceará, Cid Gomes exigiu autocrítica do partido e foi vaiado por petistas

01:30 | 16/10/2018
AO SER VAIADO por militantes, Cid Gomes respondeu:
AO SER VAIADO por militantes, Cid Gomes respondeu: "É por isso que vocês vão perder" TATIANA FORTES

Ao lado do governador Camilo Santana (PT), o senador eleito Cid Gomes (PDT) cobrou ontem um mea culpa do partido durante encontro que abriu a campanha de Fernando Haddad no Ceará no segundo turno contra Jair Bolsonaro (PSL).

 

"Eu conheço o Haddad, é uma boa pessoa. Tenho zero problema de votar nele", disse o ex-governador do Estado a um auditório lotado de filiados e simpatizantes do PT.

"Mas aí fica para algum companheiro do PT que me suceda aqui na fala: se quiser fazer um exemplo para o País, tem de fazer um mea culpa. Tem de pedir desculpas, tem que ter humildade e reconhecer que fizeram muita besteira", completou.

 

Numa fala de dez minutos, o ex-governador distribuiu críticas fartas à postura da legenda durante o primeiro turno e ao ex-presidente Lula. O pedetista também bateu boca com militantes petistas, que vaiaram o ex-ministro. Em resposta, Cid os chamou de "babacas" e "otários".

 

Irmão do ex-presidenciável Ciro Gomes, terceiro colocado na disputa ao Planalto, o senador eleito acrescentou: "Não admitir o mea culpa, os erros que cometeram, isso é para perder a eleição e é bem feito".

 

A plateia então passou a gritar o nome de Lula e a entoar cantos de "Lula livre".

 

"Lula o quê?", perguntou Cid. "Lula está preso, babaca. Isso é o PT. E o PT desse jeito merece perder. Só pra rimar. Vão perder feio porque fizeram muita besteira. Porque aparelharam as repartições públicas. Porque acharam que eram donos de um país, e o Brasil não aceita ter dono."

 

Antes de encerrar a fala, Cid se despediu, ainda sob vaias: "Beijinho, beijinho, e tchau, tchau".

 

Considerada fundamental para as forças pró-Haddad no Ceará, a participação de Cid no ato já prenunciava o desconforto do grupo político dos Ferreira Gomes.

 

O pedetista, principal articulador da campanha de Ciro à Presidência, chegou junto com Camilo ao auditório do Marina Park, onde já o aguardava a cúpula 

do PDT no Estado.

 

Estavam lá o deputado eleito Salmito Filho, o presidente da Assembleia Legislativa Zezinho Albuquerque, o deputado Tin Gomes e o prefeito de Sobral e irmão de Cid, Ivo Gomes, além da vice-governadora, Izolda Cela.

 

Instado a falar - o discurso de Cid abriu o evento, que se encerraria pouco tempo depois -, o pedetista expôs a insatisfação diante da tentativa do PT de costurar no segundo turno uma participação mais efetiva de Ciro e do PDT na campanha de Haddad.

 

"Todo mundo sabe que eu votei noutro candidato no primeiro turno, não sabe?", começou o ex-governador. "E isso não é uma transição tão fácil. Acho que, pra essa transição acontecer, muita coisa teria que ter acontecido."

Cid se referia ao isolamento imposto pelo PT a Ciro ainda em agosto, quando as tentativas de acordo do PDT com PSB e PCdoB fracassaram após intervenções da legenda de Lula.

 

Em seguida, o senador eleito falou que havia duas alternativas para o seu partido. "Uma é a gente fazer de conta... Futebol é isso mesmo, tem dois turnos, e no segundo turno a gente tem que escolher. Para mim, tudo bem", respondeu. "Ora, eu já votei no Eunício (Oliveira). Para votar no Haddad, eu voto com muito mais prazer ainda."

 

A segunda alternativa seria, "se a gente quer, daqui do Ceará, dar um exemplo para o Brasil", fazer um mea culpa.

 

Ao discursar, porém, Camilo esquivou-se dessa tarefa. "Nosso objetivo aqui não é fazer uma análise política. Meu primeiro objetivo aqui é agradecer a vocês pelo resultado deste ano no Estado do Ceará", disse o governador.

 

"Eu entendo tudo que o Cid falou aqui. Cada um tem a liberdade de se expressar, mas o Cid tomou a decisão de vir pra ajudar a construir a grande vitória do Haddad no Ceará. Esse é o momento de nos unirmos."

HENRIQUE ARAúJO