VERSÃO IMPRESSA

Pasto, tem; água é pouca

01:30 | 19/03/2018
[FOTO1]

Almir Mota, de 62 anos, cria gado para corte e leite. Em Boa Viagem, o pasto está bom, altura boa para suas 70 reses ruminarem bastante. Sua propriedade é a nove quilômetros da sede municipal, na beira da BR-020. Também cria porcos e carneiros. O agropecuarista comemora os vários tons de verde da paisagem, comida garantida dos bichos, mas lamenta a água tão pouca para a sede do rebanho.


Por mil litros d’água na cidade ou na zona rural, paga-se R$ 25,00. “O começo de chuva foi bom em janeiro. Parou, teve uma estiagem de dez a 15 dias. Voltou a chover no fim de janeiro para fevereiro. Aí foi bom. Para o rebanho e para a agricultura. Mas em março, nada. Pelo menos o gado tá enchendo a barriga”, diz o criador. “Nossa situação é caótica, cruel. Está muito difícil para o povo de Boa Viagem”.

CR



GABRIELLE ZARANZA

TAGS