PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Ocupar as ruas com Carnaval pode ser receita contra a violência

| CARNAVAL | Em tempos de violência na Cidade, a receita é ocupar as ruas com a folia. Para pesquisadora, a folia não é apenas um ato festivo, mas também de cidadania

01:30 | 09/02/2018
SOCIALIZAÇÃO E AFETIVIDADE
para especialista, no Carnaval, as pessoas preferem ir para rua vivenciar a oportunidade de compartilhar o espaço público TATIANA FORTES
para especialista, no Carnaval, as pessoas preferem ir para rua vivenciar a oportunidade de compartilhar o espaço público TATIANA FORTES

O som de marchinhas e o batuque do tambor já ecoam na Cidade anunciado a festa maior. Em janeiro, os foliões começaram a ocupar os espaços no Pré-Carnaval, já na contagem contagem regressiva para a folia. Mesmo assim, o local natural e genuíno do Carnaval, que é a rua, também têm sido alvo de disputas violentas entre facções que buscam demarcar territórios, principalmente nas periferias de Fortaleza. Diante desse cenário, ocupar a rua com dança, fantasia e música têm sido meio obstinado de não se tornar refém da lógica do medo.

“Eu acho que há sim um reflexo negativo do aumento da criminalidade, mas a festa não pode parar por isso”, explica a produtora cultural Cristiane Pires, 33. Ela trabalha na organização de eventos carnavalescos nas periferias. “O Carnaval é uma festa democrática, gratuita, das comunidades e é uma forma rica de ocupar a Cidade, trazer um respiro de forma alegre, bonita e com felicidade”, acredita.

Com programação agendada para todos os dias, a foliã Lívia Reinaldo, 29, conta que, mesmo diante do aumento dos números da violência, prefere os carnavais de rua. “O Pré-Carnaval e o Carnaval de rua estão se consolidando em Fortaleza e eu amo essa festa porque vem gente de todos os bairros. Tentei ir em uma festa no shopping, mas não tinha a mesma energia e eu acho que quanto mais gente tiver, mais seguro vai ser”, acredita. Ela conta que procura frequentar principalmente os polos da programação oficial. “Sinto mais segurança”, afirma.

Para o folião Yago Gadelha, 23, o Carnaval vem como uma apropriação maior do espaço público. “A gente como cidadão tem que entender que a rua é nossa, que o Carnaval é uma festa muito popular nossa, e o momento em que a população tem consciência de que a rua é dela”, afirma o estudante.

No entanto, mesmo diante da necessidade de resistir à cultura do medo, em alguns locais a violência é de fato impeditiva da folia. No bairro Dias Macêdo, localizado na Regional VI, a mesma do bairro Cajazeiras — onde aconteceu a maior chacina do Ceará — um bloco de mais de 15 anos de festa não vai sair neste ano.

 

“Antes, havia o receio, mas a gente saía tranquilo porque já conhecia as pessoas e as famílias. Agora, o crime está descontrolado”, afirma o presidente de um dos blocos no local. Ele conta que neste ano não chegou nem a concorrer em edital por medo de não conseguir completar a saída dos blocos. “Isso é muito triste porque nem todos das comunidades têm condições de ir para a Praia de Iracema curtir o Carnaval”, lamenta.

 

De acordo com ele, até as apresentações da banda do bloco foram reduzidas. “Antes, nós fazíamos cerca de 25 apresentações em outras festas. Neste ano só fizemos quatro. Deixamos de nos apresentar em Messejana, Pirambu, Granja Portugal, Montese e outros bairros”.

Dentro da programação oficial, o Mercado da Aerolândia é o polo mais distante do eixo Praia de Iracema-Aldeota-Centro. Quando se olha o mapa da festa programada pela Prefeitura, percebe-se que ela fica muito mais restrita a uma área centro-litorânea da Capital.

De acordo com Francisco Paulo de Almeida, presidente do Bloco Mercado Folia, que se apresenta na Aerolândia, a agremiação organiza outras atividades culturais e a população sempre foi atuante e participativa. “Apesar de ser um bairro que tem conflitos, a gente trabalha aqui durante o ano todo para que a população não fique receosa e venha para a festa. E vem gente de todo lugar aqui para o mercado”, celebra.

Jânia Perla, antropóloga e pesquisadora do Laboratório de Estudos Sobre Violência da Universidade Federal do Ceará (LEV-UFC), reflete sobre como a violência interfere na sensação de insegurança. “As pessoas veem no noticiário as chacinas e uma série de fatos violentos que tiveram visibilidade pública”, cita.

No entanto, ela também observa que as festas populares vêm ganhando força em Fortaleza e que o Carnaval pode ser motivador de ocupação diferente das ruas. “O contato entre as pessoas, que essas festas promovem, é importante porque elas são momentos de socialização e de afetividade, que é uma lógica da convivência e de vivenciar a Cidade. E as festas trazem um resultado exatamente oposto a essa dinâmica do medo que o crime organizado e as facções acabam instaurando”, comenta.

A pesquisadora ressalta ainda que há no Carnaval um forte apelo emocional e popular. Para ela, o período pontual e a adesão coletiva acabam encorajando as pessoas. “É um período específico. Então, é como se as pessoas, de certa forma, se elas têm algum medo, encarassem esse medo e preferissem ir para rua vivenciar essa oportunidade de compartilhar o espaço público”, afirma. Para ela, esse enfrentamento é também o entendimento do direito à diversão na Cidade. “E isso é muito importante, porque não é só uma ato festivo, mas de cidadania”.

SEGURANÇA

EM COLETIVA na última segunda-feira, 5, a Prefeitura de Fortaleza divulgou a operação de segurança no Carnaval. A Guarda Municipal atuará com 488 agentes. De acordo com o plano operacional, uma média de 50 guardas estarão distribuídos nos dez principais pontos de festa na Cidade. Destaque para maiores contingentes em locais tradicionais, como Avenida Domingos Olímpio, Aterrinho da Praia de Iracema, Mercado dos Pinhões e Mocinha.

A POLÍCIA MILITAR disponibilizou 2.500 agentes para trabalhar nos 9 polos carnavalescos da Capital. Somente no Aterro da Praia de Iracema, 50 policiais extras farão a segurança. Além disso, outros 100 policiais ficarão de plantão na Secretaria da Segurança Pública caso haja necessidade de reforço em algum polo.

 

POR TELEFONE, a Secretaria da Cultura de Fortaleza (Secultfor) afirmou que além da Guarda Municipal e da parceria com a PM, também são contratados seguranças particulares.

 

PROGRAMAÇÃO DO CENTRO DRAGÃO DO MAR

SÁBADO, 10

16 horas - Catiguria: o Baile de Carnaval, com os djs Catiguria e a banda Dubaile, residentes da festa, e mais Uaná System, paraense Lucas Estrela e trio Las Tropicanas (Pepita York, Di Ferreira e Lorena Nunes). Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito.

19 horas - Planeta Hip Hop - Crews de breaking e outras danças do hip hop promove encontros com dançarinos do gênero, com Dj tocando ao vivo. Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.

19h30min - Festival Internacional Violoncelos em Folia. Teatro Dragão do Mar. Acesso gratuito com retirada de ingressos a partir das 17h30min na bilheteria.

 

DOMINGO, 11

16h20min - Bloco Iracema Bode Beat

Ao som de muitos metais, tambores e atrações circenses, o bloco entoa o melhor do Carnaval de rua junto dos cantores Daniel Groove e Nayra Costa. O cortejo parte do Largo dos Tremembés em direção à Praça Verde às 16h20min.

18 horas - Banda Iracema Bode Beat, com Daniel Groove e Nayra Costa, na Praça Verde. 20 horas - DJ Guga de Castro, na Praça Verde. Acesso gratuito. Na Praça Verde.

18 horas - Show “Salve João Gilberto”, com Marcus Caffé. Teatro Dragão do Mar. Acesso gratuito com retirada de ingressos a partir das 16 horas, na bilheteria.

 

TERÇA, 13

 

17 horas - Carnaval de Pixinguinha, com a Orquestra Popular do Nordeste e a Choro Grande Banda. Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.

PROGRAMAÇÃO INDEPENDENTE

TERÇA-FEIRA, 13

Bloco As Gata Pira

(Praça dos Leões - rua Sena Madureira, Centro de Fortaleza)

Quando: das 9h às 20 horas

 

Festa do povo

 

Wânia Lemos, 60,

funcionária pública

Natural de Pernambuco, Wânia traz o frevo na memória dos carnavais da adolescência. Até hoje frequentadora dos blocos de rua em Fortaleza, ela conta que não perde o festejo. Para ela, apesar do aumento dos índices de criminalidade na Capital, se ausentar da festa não é a solução. “É uma folia que todo mundo gosta, é a festa do povo, tem aquelas pessoas que brincam em família, levam crianças e resgatam essa brincadeira. Brincar respeitando o próximo. A receita é essa”, afirma.

 

CARNAVAL 2018

PROGRAMAÇÃO DA PREFEITURA DE FORTALEZA

 

ATERRINHO DA PRAIA DE IRACEMA

 

Quando: a partir das 17 horas

Sábado, 10: Bloco Geração Coca Cola, Bloco das Travestidas e Margareth Menezes

Domingo, 11: Las Tropicanas, Bloco Luxo da Aldeia, e Elba Ramalho com participação de Chico Pessoa

Segunda-feira, 12: Os Transacionais, Bloco Os Alfazemas e Bloco Vai Gonzagão

Terça-feira, 13: Banda Patrulha, Johnny Hooker e Jorge Aragão

 

MERCADO DOS PINHÕES

(Praça Visconde de Pelotas, s/n - Centro)

Quando: das 16 às 19 horas

Sábado, 10: Bloco As Damas Cortejam

Domingo, 11: Coletivo Fertinha

Segunda-feira, 12: Renato Black

Terça-feira, 13: Banda Dubaile

 

MERCADO DA AEROLÂNDIA

( BR-116, 5823 - Alto da Balança )

Quando: das 17 às 20 horas

De sábado, 10, a terça-feira, 13: Tarcísio Sardinha e Banda

 

MOCINHA

(Rua Padre Climério, 140 - Meireles )

Quando: das 18 às 22 horas

De sábado, 10, a terça-feira, 13: Bloco Num Ispaia Sinão Ienche

BENFICA

Praça João Gentil (avenida Treze de Maio, 2311 - Benfica)

Sábado, 10: Banda Pacote de Biscoito e Raízes do Girô (9 horas), Alexandra Eloi (13 horas), Luxo da Aldeia (15 horas)

Domingo, 11: Banda Só Alegria (9 horas), Vicente Barros (11 horas), Projeto Brincar de Maracatu com Pingo de Fortaleza (13 horas), Renato Black (15 horas) e Os Alfazemas (16 horas)

Segunda-feira, 12: Trupe Realejo (9 horas), Jord Guedes (11 horas), La Semilla (13 horas), As Damas Cortejam (14 horas), Luxo da Aldeia (15 horas) e Projeto Tambores Ancestrais na Noite Escura (20 horas)

Terça-feira, 13: Banda Pacote de Biscoito (9 horas), Bloco Hospício Cultural (11 horas), Donaleda (13 horas), Projeto Brincar de Maracatu (15 horas), Calé Alencar (17 horas)

 

PASSEIO PÚBLICO

(Praça dos Mártires - Centro )

Quando: de 9 às 11 horas

Sábado, 10: Banda Só Alegria

Domingo, 11: Trupe Realejo

Segunda-feira, 12: Banda Pacote de Biscoito

Terça-feira, 13: Banda Só Alegria

 

MERCADO JOAQUIM TÁVORA

(Avenida Pontes Vieira - Joaquim Távora)

Quando: das 17 às 19 horas

De sábado, 10, a terça-feira, 13: Charanga Frevo Folia

 

MERCADO DOS PEIXES

(avenida Beira Mar, 3479 - Meireles)

Quando: das 17 às 19 horas

De sábado, 10, a terça-feira, 13: Charanga Os Foliões da Serra

 

DESFILE NA AVENIDA DOMINGOS OLÍMPIO

(entre ruas Barão de Aratanha e Senador Pompeu)

 

Sábado (10/2)

18h40min: Maracatu Kizomba

19h20min: Maracatu Axé de Oxóssi

20 horas: Maracatu Nação Palmares

20h40min: Maracatu Rei Zumbi

21h20min: Maracatu Nação Pindoba

22 horas: Maracatu Filhos de Iemanjá

22h40min: Maracatu Az de Ouro

23h20min: Maracatu Solar

 

Domingo (11/2)

19 horas: Maracatu Nação Baobab

19h40min: Maracatu Nação Fortaleza

20h20min: Maracatu Vozes da África

21 horas: Maracatu Rei de Paus

21h40min: Maracatu Nação Pici

22h20min: Maracatu Nação Iracema

 

Segunda-feira (12/2)

 

16 horas: Bloco Garotos do Parque

16h40min: Bloco Garotos do Benfica

17h20min: Bloco Doido é Tu

18 horas: Bloco Turma do Mamão

18h40min: Cordão Vampiros da Princesa

19h20min: Bloco Barão Folia

20 horas: Cordão As Bruxas

20h40min: Bloco Amigos do Zé

21h20min: Bloco Prova de Fogo

22 horas: Cordão Princesa no Frevo

22h40min: Bloco Império da Vila

23h20min: Bloco Unidos da Vila

Meia-noite: Bloco Balakubaku Folia

 

Terça-feira (13/2)

 

17 horas: Afoxé Acabaca

17h40min: Afoxé Oba Sá Rewá

18h20min: Afoxé Oxum Odolá

19 horas: Afoxé Filhos de Oyá

19h40min: Afoxé Omôrisá Odé

20h20min: Escola de Samba Corte no Samba

21 horas: Escola de Samba Acaracuzinho

21h40min: Escola de Samba Imperadores da Parquelândia

22h20min: Escola de Samba Império Ideal

23 horas: Escola de Samba Tradição da Bela Vista

23h40min: Escola de Samba Girassol de Iracema

EDUARDA TALICY