VERSÃO IMPRESSA

Mais dados, menos voz e planos ilimitados: A queda dos chips

| A QUEDA DOS CHIPS | Com várias ofertas das operadoras, consumidores abandonam o segundo cartão de celular e passam a se fidelizar a apenas uma empresa

01:30 | 16/02/2018

[FOTO1]

Ligações ilimitadas, WhatsApp à vontade, aplicativos de música e revistas. As operadoras têm oferecido planos mais completos para atrair a fidelidade e contemplar diferentes perfis de consumidor. Com as promoções, a utilização do segundo chip vem em trajetória de queda.
[SAIBAMAIS] 

Prova disso é que, em 2017, o número de linhas móveis no Ceará reduziu 6,68%, ante o ano anterior. Foram 655.763 linhas de celulares a menos no Estado, fechando em 9,1 milhões. Os dados são da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).
 

O empresário Richardson de Freitas Júnior, 26, conhece bem as promoções das operadoras ao longo do tempo. Ainda adolescente, aproveitou a ligação grátis de até três segundos, economizando os créditos em conversas fragmentadas. “Todo mundo falava. Na época, eu estudava, então minha mãe ia me pegar e dizia: ‘Tô chegando’. Eu ligava para o amigo e falava: ‘E aí? Como você tá?’ Se ele não entendia, retornava: ‘Oi, repete’. Dava para dizer muita coisa”.
 

Seguindo as ofertas, ele também aderiu ao chip 31 anos da operadora Oi. A promoção, lançada em 2002, permitia ligações gratuitas aos fins de semana durante três décadas. “No fim de semana meu telefone nem parava. Os amigos ligavam para a gente fazer ligação para eles. Tinha opção de conferência, então, às vezes, ficavam várias pessoas na linha, como se fosse chat”.
 

Depois da promoção “31 anos”, o empresário aderiu a dois chips: o da Oi, para fazer ligações, e o da TIM, para usar com internet. Por alguns anos, precisou carregar dois celulares no bolso, mas quando surgiu o aparelho com dois chips facilitou o dia a dia.
[QUOTE1]

Atualmente, Richardson se diz satisfeito só com um chip do plano pré-pago da Oi. Ele desembolsa R$ 35 por 3 gigabytes (GB) de internet, 2 mil mensagens, ligação grátis para números da operadora, e ligações para outras operadoras a R$ 0,30. No uso diário, o celular é usado 90% para internet e 10% para ligação.
 

Dentro do plano, o empresário ganha mais 1 megabyte (MB) de internet por vincular a conta ao pagamento mensal no cartão de crédito e ainda tem a flexibilidade de converter as mensagens não utilizadas em megabyte para internet, por meio do aplicativo da operadora. “Minha necessidade está bem suprida. As operadoras dão muita opção e não tem necessidade de dois números”, diz.  

 

[FOTO2] 

Telefonia fixa também registra recuo no Ceará

Em 2017, a Anatel registrou um total de 40,8 milhões de linhas fixas em operação no País. Na comparação com 2016, houve redução de 1,2 milhão de linhas, uma queda de 2,96%. No Ceará, 696.332 linhas estavam em operação em dezembro do ano passado, somando as operadas por concessionárias e autorizadas. Comparado a 2016, houve redução de 6,81% das linhas fixas, uma perda de 50.886 contratos no Estado.   

 

PLANOS DAS OPERADORAS

OPERADORA VALOR O QUE INCLUI

 


TIM
R$ 54,99
 

Tim Controle: 3,5GB de internet %2b Ligações ilimitadas para qualquer operadora e lugar do Brasil TIM Banca Virtual TIM Music by Deezer WhatsApp à vontade Roaming Nacional SMS à vontade
 

 

Vivo
R$ 44,99
 

Vivo Controle: 3GB de internet Ligações ilimitadas locais para celulares de outras operadoras minutos ilimitados para fixo nacional Banca Virtual Aplicativos com jogos exclusivos da NBA Vivo Sync para armazenamento em nuvem SMS ilimitado para qualquer operadora
 

 

Oi
R$ 54,90
 

Oi Controle: 4GB de internet Minutos ilimitados para qualquer celular e fixo do Brasil Aplicativo Oi Jornais Oi Revistas Oi Gastronomia SMS ilimitado para Oi
 

 

Claro
R$ 51,99
 

Claro Controle: 3GB de internet Ligações ilimitadas para qualquer operado do Brasil Claro Vídeo Claro Música roaming nacional WhatsApp à vontade Banca digital SMS à vontade


Fonte: Pesquisa realizada em 04/02 para plano controle, de acordo com o site das operadoras 

 

 

EVOLUÇÃO DOS CELULARES
 

A evolução dos celulares passa por modelos mais pesados e volumosos, depois para telas menores que, com os anos, voltam a se ampliar em tamanho e resolução, para comportar as utilidades que advêm com a internet e os novos hábitos dos usuários    

 

CRISTINA FONTENELE
cristinafontenele@opovo.com.br 

CRISTINA FONTENELE

TAGS