VERSÃO IMPRESSA

Um prognóstico entre o otimismo e a cautela

| QUADRA CHUVOSA | Funceme divulga previsão de 40% de chances de chuvas acima da média histórica este ano no Ceará. Mesmo assim, recarga dos reservatórios não está garantida

01:30 | 23/01/2018

[FOTO1]


Depois de seis anos de previsões que somente vislumbravam o prolongamento da seca, a maior da história do Ceará, o horizonte desponta favorável às chuvas acima da média. O prognóstico da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) para fevereiro, março e abril — o primeiro trimestre da quadra chuvosa, que segue até maio — veio a público ontem, no Palácio da Abolição. E as chances são de 40% de chuvas acima, 35% em torno e 25% abaixo do normal.
 

Na coletiva de imprensa, enquanto os meteorologistas repetiam o alerta de 2017, de que as precipitações não devem ser bem distribuídas entre as zonas norte e sul do Estado, gestores reconheciam que os esforços para economizar água não devem diminuir.
 

“Uma coisa é chuva, outra coisa é aporte”, ponderou o secretário dos Recursos Hídricos, Francisco Teixeira. Ele lembrou que o Ceará está há vários anos sem recarga significativa nos açudes, que hoje têm 6,8% da capacidade.
 

No ano passado, quando choveu em torno da média, mas não muito sobre reservatórios estratégicos como Orós e Castanhão, o aporte total foi de 8% d’água. “Temos que aguardar se a chuva vem com intensidade. Se vier, pode ter uma boa recarga”, espera o presidente da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), João Lúcio Farias.
 

No entanto, o presidente da Funceme, Eduardo Sávio, explicou que, antes de chegar aos grandes, as águas pluviais têm de encher os pequenos e médios reservatórios. “É bom que as chuvas sejam concentradas e de alta intensidade, porque o solo não tem capacidade de absorver e, com isso, o escoamento é gerado e dá aporte”.
 

Pela previsão, é possível que, na zona norte do Estado, chova 45% acima da média, 35% em torno e 20% abaixo. Já na zona sul, onde estão bacias importantes como as do Banabuiú e do Jaguaribe, por exemplo, é mais provável (45%) que chova em torno da média do que abaixo (35%) ou acima (20%).
 

Supervisora de meteorologia da Funceme, Meiry Sakamoto disse que o fenômeno La Niña, que segue atuando e tende a ser favorável às precipitações, deve se dissipar ao longo da estação, não tendo, portanto, mérito sobre o prognóstico. “O Atlântico está melhorando, ou seja, aquecendo um pouco mais ao sul e esfriando ao norte”, o que cria condições promissoras para a Zona de Convergência Intertropical (ZCI), principal sistema indutor de chuvas regulares no Estado, explicou.

Os meteorologistas sinalizaram, porém, que um El Niño, que causa seca, pode se formar ainda durante a quadra. “É uma preocupação, não uma previsão”, pesou Eduardo.

Mirando um cenário positivo e preocupante ao mesmo tempo, o governador Camilo Santana (PT) concluiu que o Governo deve manter as ações de convivência com a seca que vem tomando nos últimos anos, como perfuração de poços, construção de adutoras e tarifa de contingência. Enquanto isso, projetos de dessalinização e de reúso da água do esgoto para a indústria, apesar de urgentes, seguem sem ser realidade. (Luana Severo)
 

CASTANHÂO

O açude Castanhão está, atualmente, com 2,37% da capacidade total. Já não é mais o principal reservatório que abastece a Região Metropolitana de Fortaleza 


ORÓS

Segundo maior açude do Ceará, o Orós segue, atualmente, com 5,85% da capacidade total, segundo o Portal Hidrológico, que reúne informações de 155 açudes monitorados. 

TAGS