PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Lula sugere que Palocci não assume 'fatos ilícitos'

Lula rebateu afirmações de seu ex-ministro da Fazenda, que na semana passada disse que o ex-presidente fez um "pacto de sangue" com a empreiteira Odebrecht para o repasse de R$ 300 milhões em propinas

01:30 | 14/09/2017

Ex-presidente Lula fala após depoimento a Moro em Curitiba 
WERTHER SANTANA/AE
Ex-presidente Lula fala após depoimento a Moro em Curitiba WERTHER SANTANA/AE
                                             Ao ser novamente interrogado pelo juiz federal Sergio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu ontem que o ex-ministro Antonio Palocci não assumiu a responsabilidade por atos ilícitos que cometeu.

 

Para Lula, Palocci, que está preso há quase um ano, “tem o direito de querer ser livre”. “O que não pode é se você não quer assumir a tua responsabilidade pelos fatos ilícitos que você fez, não jogue em cima dos outros”, afirmou o ex-presidente.

 

Lula rebateu afirmações de seu ex-ministro da Fazenda, que na semana passada, também em depoimento a Moro, disse que o ex-presidente fez um “pacto de sangue” com a empreiteira Odebrecht para o repasse de R$ 300 milhões em propinas.

 

Cerca de dois meses após ser condenado por Moro a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Lula voltou a ficar frente a frente com o juiz da Operação Lava Jato na primeira instância. Sentenciado no caso do triplex do Guarujá, o petista foi ouvido na ação penal na qual é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre contratos entre a Odebrecht e a Petrobras.

 

Segundo o Ministério Público Federal, os repasses ilícitos da empreiteira chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a estatal. O montante, segundo a força-tarefa da Lava Jato, inclui um terreno de R$ 12,5 milhões para o Instituto Lula e uma cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo do Campo de R$ 504 mil.

 

A audiência de ontem na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba durou cerca de duas horas. Demonstrando irritação, o ex-presidente deixou de responder a várias perguntas.

 

Mas em diferentes trechos do depoimento não se furtou a falar do ex-titular da Fazenda, que tenta firmar um acordo de colaboração premiada com a força-tarefa da Lava Jato. Palocci foi classificado como “calculista”, “frio” e “simulador”.

 

“Ele é tão esperto que é capaz de simular uma mentira mais verdadeira que a verdade”, disse. “Fiquei muito preocupado com a delação do Palocci, porque ele poderia ter falado ‘eu fiz isso de errado, eu fiz isso’. Ele, espertamente, disse, ‘não é que eu sou santo’ e pau no Lula. ‘Não é que eu sou santo’, que é um jeito de você conquistar veracidade na tua frase. Eu fiquei com pena disso.”

 

O advogado Adriano Bretas, que defende Palocci, reagiu ao depoimento de Lula e chamou o petista de “dissimulado”. Segundo o defensor, “Lula muda os adjetivos com relação às pessoas à mercê da conveniência dele”.

 

“Enquanto o Palocci mantinha o silêncio, ele era inteligente, virtuoso. Agora que ele começou a falar a verdade, passou a ser tido e havido como uma pessoa calculista, dissimulada. Dissimulado é ele (Lula)”, disse o advogado.

Agência Estado

 

 

SAIBA MAIS

 

Questionado, Lula disse que sua relação com a Odebrecht era a mesma que ele tinha com todo o empresariado brasileiro. Sobre Emílio Odebrecht, disse que o empreiteiro era tratado como um grande empresário assim como outros. Questionado se Emílio levava pedidos do grupo, respondeu que as pautas eram relativas ao “desenvolvimento do Brasil".