PUBLICIDADE
Jornal

Comissão de Ética vai investigar três ministros

A decisão foi tomada após duas denúncias, feitas pelos deputados petistas Afonso Florence (BA) e Robinson Almeida (BA), e pelo advogado chamado Mariel Marley

28/04/2017 01:30:00

A Comissão de Ética Pública da Presidência decidiu ontem, por unanimidade, abrir investigação contra os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência), Eliseu Padilha (Casa Civil) e Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), por supostas infrações éticas no relacionamento com a Odebrecht.
A decisão foi tomada após duas denúncias, feitas pelos deputados petistas Afonso Florence (BA) e Robinson Almeida (BA), e por um advogado chamado Mariel Marley Marra.
 

Os três ministros terão dez dias para prestar esclarecimentos à comissão a partir da notificação, que deve ser feita amanhã. “A questão criminal será tratada pelo Supremo (Tribunal Federal), mas a questão de ética nos parece muito relevante. Quando o processo emana de uma denúncia criminal apurada pelo STF, não se pode deixar de considerar a seriedade do tema envolvido”, afirmou o presidente do colegiado, Mauro Menezes.
 

Segundo o delator Paulo Cesana, ex-presidente da Odebrecht Transport, Padilha recebeu R$ 4 milhões da empreiteira.
 

O pedido para o repasse foi feito, de acordo com Cesana, pelo também ministro Moreira Franco, à época titular da Aviação Civil, no governo Dilma Rousseff.
 

Os pagamentos foram relacionados a uma ajuda na rodada de concessões de aeroportos.
 

Padilha também foi apontado como participante do jantar no Palácio do Jaburu, com Michel Temer e Marcelo Odebrecht, no qual os peemedebistas pediram R$ 10 milhões para a campanha
de 2014.
 

O titular da Casa Civil ainda é citado pelos delatores Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o BJ, ex-diretor de Infraestrutura da empreiteira.
 

A comissão vai avaliar a relação de Padilha com a Odebrecht quando era ministro dos Transportes no governo FHC. 

 

Saiba mais

O ministro da Casa Civil Eliseu Padilha, disse ontem, por meio de sua assessoria, que só vai se pronunciar quando for notificado oficialmente sobre a decisão da Comissão de Ética da Presidência.
O ministro Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência, afirmou, também via assessoria, que não recebeu "nenhuma comunicação oficial" sobre a decisão. Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) disse que "sempre pautou sua atuação pela ética e pelo cumprimento da legislação." "As atribuições do Ministério das Cidades para a avaliação de linhas de financiamento são apenas uma etapa do processo, usadas para apoiar o desenvolvimento da infraestrutura
nacional", disse. 

Adriano Nogueira

TAGS