PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Em busca do defeito

Quando é preciso fazer diagnóstico computadorizado?

01:30 | 11/10/2018
GettyImages/Natnan Srisuwan
GettyImages/Natnan Srisuwan

Nem sempre seu carro vai precisar de um diagnóstico computadorizado na manutenção. O procedimento é indicado para casos em que o carro precisa ser todo desmontado para algum defeito ser identificado. Ele é interessante durante revisões periódicas ou quando sugerido pelo mecânico. O scanner pode ajudar a identificar problemas na parte elétrica do veículo, como direção, travas etc. Também é um aliado para encontrar mais rápido defeitos no sistema de injeção eletrônica, como sujeira no corpo de borboleta ou falha na ignição.

 

Existem carros com kit GNV de fábrica?

 

Atualmente, não. A Fiat chegou a lançar o Siena Tetrafuel em 2006 com possibilidade de rodar a gás, mas não foi um sucesso de vendas na época, saiu de linha. Para quem não é taxista, o gás natural pode não compensar muito. Isso se deve ao peso dos cilindros, o espaço que ele ocupa no porta-mala, e a diferença no orçamento é mínima em alguns casos. "Compensa principalmente para quem roda mais de 60 km por dia", diz Jardel Lima, técnico da MV Autos. A instalação do kit GNV varia de R$ 2.500 a R$ 5 mil.

 

Limpeza rápida: Passar um pano seco ou molhado?

 

Mesmo com a lavagem periódica no lava-jato, é comum que os vidros continuem sujos com a poeira do dia a dia. A dica é passar o pano um pouco úmido, com produtos próprios. O pano seco ainda deixará algumas sujeirinhas e, às vezes, arranha levemente o vidro. O pano apenas úmido com água pode deixar o vidro manchado. É indicado usar produtos neutros ou limpadores de vidros automotivos, que custam cerca de R$ 25.