PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

Ginástica cerebral: por que praticá-la no trabalho?

Descubra como levar uma vida mais saudável com exercícios que consomem pouco tempo do seu dia

11/06/2019 00:00:07

Cada vez mais, o ambiente de trabalho pode ser responsável pelo esgotamento profissional dos funcionários. De acordo com anúncio feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em maio deste ano, o estresse no trabalho tornou-se doença. Neste sentido, a ginástica cerebral é uma opção de estímulo às funções cognitivas e alternativa à mudança de rotina, por exercitar a memória e a atenção, além de funções executivas como capacidade de planejamento.

A psicóloga Gabrielly Rodrigues afirma que atividades proporcionadas pela ginástica cerebral, como leitura, jogos de desafios e exercícios de memória, desde que o praticante esteja concentrado, auxiliam na formação de novas sinapses - junções entre a terminação de um neurônio e a membrana de outro. Gabrielly diz que esse processo funciona como um impulso elétrico responsável por enviar novas informações para o cérebro.

Ao buscar novos caminho de aprendizagem, com a mudança de um sistema operacional de um computador no trabalho, por exemplo, o cérebro também procura novas formas de dar uma resposta para essa nova necessidade. A "neuroplasticidade", essa atividade de adaptação ligada ao comportamento, é percebida até em contratação de funcionários pelas empresas, ressalta a neuropsicóloga.

De acordo com Gabrielly, temas relativos ao comportamento dos funcionários tornaram-se critérios eleitos pelos empregadores como mais importantes do que a área técnica de cargos profissionais. "Por pertencerem à parte cognitiva do cérebro, a capacidade de resolução de problemas e de planejamento são exercícios que auxiliam o profissional a ter um melhor posicionamento dentro das atividades laborais (trabalhistas) e, como consequência, um reconhecimento dessas características nessas atividades do trabalho", explica.

O Supera - Ginástica para o Cérebro, escola especializada no estímulo ao raciocínio, desenvolve desde 2006 habilidades cognitivas dos alunos, como atenção e memória, além das atividades socioemocionais, a exemplo da autoconfiança e do desenvolvimento para comunicação e relacionamento interpessoal. Em Fortaleza, a escola já tem quatro sedes, na Aldeota, no Bairro de Fátima, no Edson Queiroz e na Parquelândia. Proprietária da escola, Selma Santos diz que o interesse do Supera foi de unir disposição do fortalezense por práticas de atividades físicas (ginástica do corpo) com a de práticas mentais (ginástica cerebral), para a melhoria da qualidade de vida.

A prova disso é a advogada Lina de Queiroz, 44, que começou a praticar o método Supera há um ano e meio pela dificuldade de concentração. "Os exercícios me ajudaram a manter o foco e evitar distrações no trabalho", explica. Ela diz que deixou de assistir à televisão diariamente para praticar os exercícios e ter uma vida mais saudável.

COMO PRATICAR A GINÁSTICA CEREBRAL EM 40 MINUTOS

Leitura;

Contas matemáticas de cabeça;

Aprender novo idioma;

Fazer novos amigos;

Jogos de memória;

Prática de neuróbica (estímulo dos sentidos por meio daquilo que contraria a rotina, como colocar o relógio no pulso diferente daquele que normalmente se usa, escovar os dentes com a mão não dominante, andar pela casa de costas, vestir-se de olhos fechados e ver fotos de cabeça para baixo).

BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA CEREBRAL

Melhora no padrão de aprendizagem;

Auxílio ao cérebro na descoberta de novas informações;

Aumento do repertório verbal;

Aperfeiçoamento na memória
de curto prazo;

Evolução na capacidade de manter atenção;

Criação de novos
objetivos pessoais;

Promoção de maior qualidade
de vida.

Lucas Albano