PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Especialista polivalente

Delegado e professor, Nartan Andrade almeja instalar núcleos consensuais nas delegacias do Ceará

01:30 | 09/07/2018

Nartan Andrade une nas profissões de delegado e professor a realização de servir ao próximo Marcelo Gomes
Nartan Andrade une nas profissões de delegado e professor a realização de servir ao próximo Marcelo Gomes
 

Após ter exercido funções como procurador de município e advogado, Nartan Andrade decidiu se dedicar à carreira de delegado da Polícia Civil em 2006. Além disso, na mesma época, passou a dividir sua rotina com as salas de aula. Hoje, ministra as disciplinas de Teoria Geral do Processo, Processo Penal e Mediação de Conflitos na Unifor. "Elas estão muito bem casadas, porque têm o mesmo objetivo de trazer benefícios para a sociedade. São duas carreiras que sempre foram muito o meu perfil", analisa.

Mestre em Direito e Gestão de Conflitos, Nartan também exerce há um ano o cargo de secretário executivo da Academia Estadual de Segurança Pública do Ceará (Aesp/CE), órgão responsável pela formação dos integrantes da Polícia Civil, Polícia Militar, Perícia Forense e Corpo de Bombeiros Militar. Ao ingressar na Aesp/CE, cumpriu a função de coordenador de ensino por quatro meses antes de ser promovido.

Sua satisfação com a carreira é estar em busca de prestar serviços à sociedade e acredita que o primeiro lugar que o cidadão procura ao se deparar com um conflito é a delegacia.

"O delegado tem mesmo essa peculiaridade, não desmerecendo as demais carreiras, mas delegado é a carreira jurídica que está mais próxima da população", afirma. Assim, as características que mais valoriza na profissão é a boa capacitação, a empatia pelos outros e estar aberto a atender a todos. Para se manter atualizado, o estudo acadêmico é seu principal caminho. Ainda pretende fazer doutorado e, hoje, está concluindo o curso de mediador judicial do Conselho Nacional de Justiça em parceria com o Tribunal de Justiça.

Um dos desafios elencados por Nartan é a tentativa de consolidação de delegado como carreira jurídica. "Em 2017, com uma emenda à Constituição Estadual, nós nos tornamos uma carreira jurídica, mas eu almejo que ela se fortaleça como integrante das carreiras jurídicas no mesmo patamar da Defensoria, do Ministério Público, da magistratura, da advocacia", argumenta.

&nsbp;
Segundo Nartan, o papel do delegado, a princípio, é presidir inquéritos, registrar ocorrências, apurar delitos, ver sua autoria. Porém, pensa que deve ser mais amplo que isso, sem perder de vista sua atividade fundamental. Um de seus sonhos é instalar núcleos consensuais que tratem delitos leves nas delegacias do Ceará, a exemplo do Núcleo Especial Criminal (Necrim) de São Paulo. "Se ele (delito leve) for bem tratado na delegacia, ele impede um delito mais grave. Por exemplo, você caluniou o seu vizinho, se você vai para a delegacia e sai só com um papel marcando uma audiência para daqui seis meses, essa calúnia pode se tornar um homicídio", conta.

 

MULTIMÍDIA

Confira o vídeo do Perfil Profissional em: https://bit.ly/2Fq8ZYK

 

PLANO SOCIAL 

Por que escolheu seguir essa carreira?

Desde a adolescência, eu sempre fui aquela pessoa voltada para tentar fazer algo em prol do povo. Antes de ser delegado, eu exerci outras carreiras, de procurador de município, de advogado por oito anos. Quando surgiu, em 2006, o concurso de delegado de Polícia Civil, eu disse: "eu vou fazer esse concurso". A importância do delegado civil é servir ao povo. Nessa época, eu também comecei a ministrar aulas. Sou professor universitário do curso de Direito.

Qual foi o ponto mais alto da sua carreira?

Meu momento atual, porque eu consegui aliar as minhas duas carreiras em uma função que eu estou hoje. Eu contribuo no gerenciamento do treinamento dos policiais civis, dos policiais militares, dos bombeiros militares, ou seja, eu trouxe a minha visão enquanto delegado de polícia civil e a minha visão enquanto professor. Está sendo o melhor momento, sem dúvida nenhuma.

Existe algum sonho profissional que deseja alcançar?

Há dois anos, eu terminei a minha dissertação de mestrado com o tema da instalação de núcleos consensuais nas delegacias de polícia do Estado do Ceará. Esse delegado fica voltado para resolver esses pequenos delitos, através da busca do consenso e fica o delegado titular da delegacia responsável por apurar e investigar os delitos mais graves, como homicídios, estupros. Sonho que eu tenho é que a gente passe a instalar núcleos consensuais ou de resolução de conflitos em delegacias.

LORENA MARCELLO