VERSÃO IMPRESSA

Moda pensada

01:30 | 26/02/2018


QUAL É O DIFERENCIAL DO MODA PARA MIM?


“O diferencial da marca, que eu não vejo tanto no Ceará, é a sustentabilidade com a temporalidade da peça. Sem muito excesso. É questão do minimalismo, gosto muito de brincar com as formas geométricas na própria roupa. As peças são extremamente autorais. Não é focada em tendência, no que estão usando, é no sentir. São peças exclusivas. Um vestido que eu faço, faço no máximo três. É a roupa como obra de arte, que ela é feita para aquela pessoa. É para si. A roupa de forma alguma é descartável. Eu acho que a gente tem que ter uma peça quando a gente precisa. A gente está em um momento de saturação da moda, tem que mudar muita coisa, tem trabalho escravo. A gente quer contar uma história”.

ONDE VOCÊ BUSCA INSPIRAÇÃO?
 

“As minhas inspirações vêm da música, da literatura, da psicanálise. Já fiz inspirado em estilos musicais. Eu noto que sempre tem em comum o feminino, a mulher, o corpo. Eu estava muito impactada com as questões do sertão. A próxima edição é inspirada no Antônio Conselheiro, que é uma grande personalidade que eu tenho estudado. Eu tenho lido agora um livro da Clarice Lispector, A Paixão Segundo GH. Tem me deixado muito inquieta, eu vou precisar criar alguma coisa sobre ele. Eu gosto de mesclar as referências. Pode ser que a GH esteja vestindo a roupa de Conselheiro”.

QUAIS SÃO OS DESAFIOS DE TER UMA MARCA AUTORAL?
 

“São muitos. Eu penso as dificuldades como desafios. A gente vai aprendendo sobre a gente. Uma marca autoral você trabalha no marketing, na criação. Uma coisa está muito ligada a outra. O design está desde a gestão à criação. Os desafios é o não incentivo, o que está passando de crise moral está afetando os pequenos empresários, de prosperidade, de crédito. Hoje em dia está mais difícil de se começar do zero. Eu sou uma grande incentivadora da moda autoral. Você tem que estar todo tempo pensando em estratégias para enfrentar isso. Tudo que te atravessa. Desde o que está passando na economia. Não me vejo fazendo outra coisa”.

TAGS