PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

As delícias da Pás coa

Com baixa na venda de ovos de páscoa tradicionais, produtores caseiros se destacam

15/04/2019 02:30:20
 Pamela de Castro aproveita a Páscoa para vender mais
Pamela de Castro aproveita a Páscoa para vender mais (Foto: ALEX GOMES)

Auxiliada pela avó em cima de um banquinho, Pâmela de Castro começou as aventuras na cozinha ainda criança. Com o amor por doces, o caderninho de receitas da mãe guardado até hoje e o apoio familiar, o caminho trilhado pareceu natural. Em 2015, incentivada pelo namorado, Pâmela montou a própria marca de sobremesas e, hoje, faz sucesso com ovos de colher e trufados durante a Páscoa.

"Mesmo ainda cursando a graduação em Enfermagem e trabalhando em outra área, senti a necessidade de formalizar o negócio, ainda que fosse de maneira tímida, então criei o Delícias da Pâm. Fiquei com essa marca até o meio do ano passado, e conforme a demanda foi crescendo, fiz cursos mais especializados em São Paulo e na plataforma online Eduk para aprimorar o cardápio, e mudei a identidade visual para acompanhar essa nova fase do negócio", explica. Hoje, como Pâm Confeitaria Artesanal, ela consegue conciliar a profissão de assistente pedagógica com os negócios, pretendendo, um dia, viver somente das suas delícias. Para além dessa época, no Natal a demanda principal são os chocotones, enquanto durante o restante do ano quem protagoniza as encomendas são os bolos e os centos de brigadeiro. Tudo é feito com, no máximo, 48 horas antes da entrega do produto.

Atraída pela oportunidade de adquirir uma renda extra trabalhando com algo que já havia virado costume, Pâmela acredita que o mercado da confeitaria está crescendo forte e constantemente, já que o fácil acesso ao conhecimento e a diminuição da burocracia no processo de se tornar microempreendedor estão cada vez mais presentes no mercado. Além disso, as mídias digitais têm se tornado uma boa opção de marketing para pequenas empresas.

Diretor de patrimônios da Associação Cearense de Supermercados (Acesu), Engel Rocha, aponta que, fazendo um comparativo entre 2017 e 2018, a venda dos ovos de páscoa tradicionais vem caindo. Segundo o especialista, as barras de chocolate estão começando a substituir o ovo de páscoa na preferência do consumidor. O diretor ainda aponta uma possível relação entre o alto índice de venda das barras e o crescimento do público que escolheu investir em produção de ovos artesanais.

"Antigamente, você entrava em uma loja e ficava até escura de tanto ovo de páscoa exposto, e hoje não, você vê uma seção pequena. Ainda tem supermercado nas áreas mais nobres que continuam investindo, mas mesmo esses você consegue puxar pela memória e identificar que antes o número de ovos de páscoa expostos era muito maior. Antes, para as vendas começarem, bastava terminar o carnaval, e hoje em dia estão segurando um pouco mais", informa.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), em 2018 foram produzidas mais de 11 mil toneladas de ovos e produtos de Páscoa e 671 mil toneladas no setor de chocolate, incluindo os achocolatados em pó, números, respectivamente, 26% e 6,5% maiores do que no ano de 2017. A expectativa para 2019 não está consolidada, uma vez que as indústrias ainda estão em processo de produção.

A Páscoa, no entanto, continua trazendo um incremento nas vendas. Dados da Abicab informam que, para atender o período, que inicia em setembro do ano anterior até a Páscoa, a indústria de chocolate gerou mais de 18 mil empregos este ano, tanto em fábricas (embalagens, manuseio, armazenagem, distribuição, e na parte de fabricação), quanto em pontos de venda (promotores para montagem das exposições e vendas). Em comparação aos meses anteriores, a Acesu espera um crescimento de 5% nas vendas. Além do chocolate, produtos como vinho, cerveja, refrigerante, azeite extra virgem, alguns temperos e o famoso bacalhau apresentam alta procura.

Para Pâmela, que prefere seguir uma linha de alternativa aos ovos de páscoa tradicionais, os negócios vão bem. "Com a demanda da Páscoa, até estava conseguindo fazer tudo sozinha, mas eu virava madrugadas e madrugadas. Esse ano eu vou contratar uma pessoa para me ajudar na parte de preparação de embalagem", aponta.

Letícia do Vale