PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

Porta-voz fala em relação de confiança entre Bolsonaro e Moro

Presidente e ministro tiveram nova reunião para tratar do vazamento de diálogos. Intercept revela novos trechos

13/06/2019 01:31:18
BOLSONARO e Moro foram ao estádio Mané Garrincha, em Brasília, assistir ao jogo do Flamengo contra o CSA
BOLSONARO e Moro foram ao estádio Mané Garrincha, em Brasília, assistir ao jogo do Flamengo contra o CSA (Foto: ESTADÃO CONTEÚDO)

O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, disse ontem que a relação entre o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o ministro da Justiça, Sergio Moro, é de "sã camaradagem" e "confiança". "O presidente vem se relacionando com o ministro Sergio Moro, e não apenas com ele, mas com todos os ministros do governo, em um ambiente de sã camaradagem e de confiança", afirmou o porta-voz.

Bolsonaro e Moro estiveram juntos, na noite de ontem, nas arquibancadas do estádio Nacional Mané Garrincha em Brasília para assistir à partida entre CSA e Flamengo, pelo Brasileirão. Ambos vestiram a camisa da equipe rubro-negra. Moro, inclusive, pôs o uniforme por cima do terno que vestia para a ocasião. O presidente e o ministro não deram declarações à imprensa.

Segundo Rêgo Barros, na reunião ocorrida ontem com Moro e o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, Bolsonaro tratou do caso das conversas vazadas atribuídas ao ex-juiz da Lava Jato. Esse foi o segundo encontro do presidente com o ministro nesta semana após a publicação das supostas mensagens. O encontro não estava na agenda oficial de Bolsonaro nem na de Valeixo até as 15 horas, apenas na de Moro — que não informava a presença do diretor-geral da PF.

De acordo com o porta-voz, o presidente acompanha o desenrolar do caso envolvendo Moro "com a serenidade que deve ser natural de um chefe de poder". Questionado sobre a possibilidade de alguma mudança em uma eventual indicação de Moro ao Supremo Tribunal Federal no futuro, o porta-voz disse que um comentário sobre isso neste momento seria prematuro. "Isto está por demais longe de nosso horizonte e qualquer ilação em relação a isso não contribuiria com para a serenidade tão importante deste governo".

Sergio Moro se manifestou sobre os vazamentos via Twitter. "Hackers de juízes, procuradores, jornalistas e, talvez, parlamentares, bem como escândalos falsos, não vão interferir na missão", escreveu Moro em seu perfil no Twitter.

O site The Intercept divulgou ontem trechos expandidos de supostos diálogos entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol. As conversas são do período entre outubro de 2015 e setembro de 2017 e revelam mais detalhes do que foi divulgado pelo site no último domingo, 9.

Em entrevista ao jornalista Reinaldo Azevedo, o editor-executivo do The Intercept, Leandro Demori, revelou novo trecho de conversa entre o ex-juiz federal e o coordenador da Lava-Jato. Nele, eles conversam sobre o ministro do STF, Luiz Fux, com quem Dallagnol admite ter se encontrado mais uma vez, sem revelar o teor da conversa. Ao relato do procurador, que fala que Fux se mostrou receptivo e, como bom carioca, só faltou chamá-lo para "ir à casa dele", Moro respondeu: "In Fux we trust" ("Em Fux nós confiamos", em tradução livre). (com agências)

 

TAGS