PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

"Não faço ideia do que Bolsonaro entendeu do meu texto", diz autor

Paulo Portinho. Repercussão

18/05/2019 01:36:18

O POVO - Como se sentiu com a repercussão do seu texto, compartilhado por Bolsonaro?

Paulo Portinho - Eu fiquei assustado. Tomei um susto. Escrevi no sábado passado e publiquei. Como qualquer pessoa nas redes, acabo desabafando por ali. Gosto de escrever texto de vez em quando para um público pequeno. Não sou figura pública. Soube hoje (ontem) que o texto tinha sido compartilhado, inclusive pelo presidente. Estou louco para que acabe isso, torcendo para que mude. É um negócio que perturba muito sua vida. Desperta haters, mesmo no trabalho.

OP - O que o levou a escrever o texto?

Portinho - Não lembro exatamente o motivo, mas era sobre as últimas notícias. Eu defendo o mercado, é minha profissão. Eu sou professor de finanças e tenho quatro livros publicados na área. Sempre escrevo textos estimulando as pessoas sobre liberalismo econômico. Se vejo que a pauta do liberalismo tem dificuldade, eu escrevo. Quando você pega o governo de Bolsonaro, que não tem habilidade de negociação, fica mais explícito ainda que, se as corporações não forem incluídas, a pauta liberal não avança. Quando falo corporações, são grupos que têm acesso privilegiado ao orçamento público. Não apenas o servidor. São certas pessoas que têm acesso a deputados. As corporações, como Raymundo Faoro falou.

OP - Acha que o governo está refém dessas corporações?

Portinho - Não sou analista e não me sinto à vontade para falar como o governo tem que fazer. A única coisa que falei é que, pelo fato de não ter o mesmo jeito para lidar com o Congresso como tinham governos anteriores, fica muito evidente. O Congresso pede para que o Executivo transacione as medidas com ele. A gente vê com muita clareza quando o governo não tem tanto traquejo.

OP - O que achou das interpretações do texto?

Portinho - Eu vi tantas interpretações, que tive dificuldade. Algumas pessoas interpretaram como carta de renúncia, outras como se ele estivesse sendo atacado pelo sistema. Eu não faço ideia do que ele entendeu do meu texto, honestamente. Espero que ele não se aborreça. Na prática, estamos vivendo sob qual efeito do governo Bolsonaro? Quase nenhum. Não mudou nada até agora. Foi isso que eu quis dizer quando falei que ele estava fracassando. A gente vê que o Brasil, até para coisas simples, precisa pedir a bênção a outras pessoas. Um presidente se elege com uma determinada pauta, mas não consegue implementar essa pauta.

 

TAGS