PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

"Ministro precisa voltar ao Ceará pra arejar cabeça", diz Idilvan Alencar

Em audiência ontem na Câmara, o titular do MEC contou que sua família tem raízes em Sobral, na região norte cearense

16/05/2019 01:33:11
IDILVAN ALENCAR questionou o ministro durante a sessão de ontem na Câmara
IDILVAN ALENCAR questionou o ministro durante a sessão de ontem na Câmara (Foto: Pablo Valadares/Câmara)

Deputado federal pelo PDT e ex-secretário da Educação do Estado, Idilvan Alencar brincou com a suposta origem do ministro da Educação, Abraham Weintraub. Em audiência ontem na Câmara, o titular do MEC contou que sua família tem raízes em Sobral, na região norte cearense.

Veja vídeo com a fala do deputado:

Questionado sobre a passagem de Weintraub pela Câmara, aonde foi explicar-se sobre o contingenciamento de recursos das universidades federais, Alencar disse que o ministro insiste na "pauta ideológica". E então acrescentou: "Ele está precisando voltar ao Ceará pra arejar a cabeça dele".

Segundo o pedetista, o desempenho do titular do MEC, que respondeu a perguntas dos parlamentares em sessão que durou seis horas, não foi satisfatório. "Ele é debochado e irônico", avaliou. "Quando eu era secretário, eu vivia atrás do governador procurando recursos. Mas ele, não. É o primeiro a defender os cortes."

De acordo com Alencar, "nenhum plano de educação dá certo desrespeitando os atores do processo". No curso da audiência dessa quarta-feira, Weintraub chegou a endossar declaração dada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) segundo a qual os estudantes que foram às ruas ontem são "idiotas úteis" e "imbecis".

"Como vai dar certo se o ministro concorda com o presidente que está cheio de idiotas nas ruas?", perguntou o deputado. "O ministro prioriza a ideologia."

Sobre o impacto da reação do governo aos protestos e a manutenção do congelamento de verbas para instituições de ensino superior, o parlamentar brizolista afirma: "O ministro cortou dinheiro da educação básica, cortou de todo canto, e conseguiu colocar o povo de volta na rua". 

Henrique Araújo