PUBLICIDADE
Jornal

Deputados de Pernambuco querem impedir leilão

Reivindicação. Contra modelo

13/03/2019 02:13:57

Às vésperas do leilão dos aeroportos, programado para sexta-feira, 15, o deputado federal Felipe Carreras (PSB) tentou uma reviravolta para impedir a realização do certame.

Ele entrou com um Agravo Interno no Tribunal Regional Federal da 5ª região (TRF-5) pedindo a revisão de um pedido de liminar, apresentado anteriormente, que solicitava a suspensão da venda ou a retirada do terminal pernambucano do pregão do Bloco Nordeste.

A ressalva dos parlamentares pernambucanos é o fato do Aeroporto do Recife estar inserido em um bloco com os terminais de Maceió, Aracaju, João Pessoa, Campina Grande e Juazeiro do Norte, com situação financeira deficitária.

Cenário diferente dos aeroportos de Fortaleza e Salvador, principais concorrentes do Recife, privatizados individualmente. No quesito infraestrutura, Fortaleza deve receber R$ 1,4 bilhão e Salvador, R$ 2,8 bilhões, enquanto o terminal da capital pernambucana receberá um valor inferior, R$ 865 milhões.

Amanhã, um dia antes do leilão, um grupo de deputados federais pernambucanos deve se reunir pela segunda vez com o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes. Na ocasião, o ministro e a equipe técnica devem justificar porque optaram pelo modelo em bloco e como chegaram ao valor de investimento para o Recife.

A primeira reunião ocorreu no dia 26 de fevereiro, com a presença de 12 deputados pernambucanos e o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), para que a bancada apresentasse seu pleito.

A nova estratégia dos pernambucanos é garantir junto ao governo federal mais investimentos para o Aeroporto dos Guararapes. O aumento dos investimentos com base no crescimento gradual do número de passageiros que passam pelo aeroporto e a construção de uma segunda pista de pouso são os dois principais pleitos.

O deputado federal João Campos (PSB) também admite preocupação com o modelo de leilão dos aeroportos através de blocos. "O nosso aeroporto é superavitário (lucro de R$ 130 milhões em 2017, maior resultado de toda a região Nordeste) e será vendido junto a cinco aeroportos com lucro mais baixo ou deficitários", disse. (Anna Tenório, Cássio Oliveira e Luisa Farias do JC Online para a Rede Nordeste)