PUBLICIDADE
Jornal

José Sarto quer chapa com proporcionalidade partidária

| ASSEMBLEIA | Candidato governista à sucessão da AL-CE concedeu entrevista à Rádio O POVO/CBN ontem

Candidato da base governista para o comando da Assembleia Legislativa do Ceará, o deputado estadual José Sarto (PDT) afirmou que, para os demais cargos da Mesa Diretora, vai construir uma chapa com proporcionalidade partidária, de gênero e que tenha "compreensão política". O parlamentar esteve nos estúdios da Rádio O POVO/CBN na manhã de ontem e concedeu entrevista ao jornalista Luiz Viana.

O partido com maior bancada, PDT, indicou o candidato a presidente do parlamento. Agora, Sarto trabalha para formatar chapa que concorrerá à Mesa Diretora da Casa.

A eleição será realizada em 1º de fevereiro, mesmo dia em que assume a nova legislatura. "Minha missão é formar uma chapa que dê representatividade, que mantenha a proporcionalidade partidária, que tanto quanto possível de gênero, e tenha uma compreensão política", afirmou.

Durante a entrevista, Sarto destacou o nome de parlamentares que vinham sendo cotados para assumir o Legislativo cearense, antes da oficialização de seu nome. Entre eles, Zezinho Albuquerque, atual presidente, que assumirá a Secretaria das Cidades em fevereiro; Tin Gomes; e Evandro Leitão, todos do PDT. "Esses companheiros todos têm méritos que sobram para presidir o parlamento estadual. Todos eles têm mais que qualificações, que poderiam indicar qualquer um deles para presidir a Assembleia".

Sarto citou a expectativa de trazer o debate contra a intolerância e exclusão para pauta na Assembleia. "É uma Casa de iguais, onde temos posições antagônicas, mas que precisamos respeitar", frisou.

Na avaliação dele, o Brasil vive uma crise ética, não só de segurança pública. O momento pelo qual o País atravessa, acrescenta Sarto, forçará os políticos a mostrarem a que vieram. "Essa crise vai encantonar os parlamentos, para saber quem realmente tem vocação pública e quem realmente é oportunista", projetou.

O nome de José Sarto foi se fortalecendo para a sucessão na Assembleia nas últimas semanas. Desde a indicação de Zezinho Albuquerque para o secretariado de Camilo Santana (PT), o nome de Sarto cresceu na disputa interna com o também pedetista Evandro Leitão. O apoio dos irmãos Cid e Ciro Gomes (PDT) influenciou a definição da candidatura.

No último dia 11, Tin Gomes afirmou ao O POVO que os Ferreira Gomes quiseram "fazer justiça" ao deputado, pelo tempo de mandato e pelo que ele já fez. Só na Assembleia Legislativa, Sarto está no sétimo mandato. Na Câmara Municipal, são outros dois, de 1988 a 1992 e 1993 a 1994.

Italo Cosme ESPECIAL PARA O POVO

TAGS