PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Em reunião com tucanos, Bolsonaro faz apelo por apoio

| Câmara | Presidente eleito encontrou-se com 50 parlamentares do PSDB para discutir convergência entre a agenda do novo governo e a do partido no Congresso

01:30 | 06/12/2018

Em sua primeira reunião com a bancada do PSDB ontem em Brasília, no Centro Cultural do Banco do Brasil, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) fez apelo para que tucanos apoiem projetos do futuro governo, como as reformas previdenciária e tributária.

 

Realizado com cerca de 50 parlamentares (48 deputados e dois senadores), entre eleitos e não eleitos, o encontro discutiu possível convergência da agenda de Bolsonaro e a do PSDB, principalmente na Câmara.

 

O pesselista pretende enviar à Casa, no começo de 2019, a reforma da Previdência fatiada.

 

Entre os deputados cearenses presentes, estavam Danilo Forte e Raimundo Gomes de Matos, ambos não reeleitos, e Roberto Pessoa, ex-prefeito de Maracanaú que garantiu um assento na Câmara nestas eleições.

 

Segundo relatos de tucanos, Bolsonaro enfatizou medidas na área do meio ambiente e repetiu que, no País, a demora na concessão de licenças ambientais é um entrave para o desenvolvimento econômico.

 

Para angariar simpatias na legenda, o sucessor de Michel Temer (MDB) admitiu que, nas quatro vezes em que o PSDB foi derrotado pelo PT nas disputas presidenciais, ele teria votado nos tucanos. A intenção do militar da reserva é mostrar afinidade com a bancada do partido.

 

Deputado federal eleito, Roberto Pessoa disse que os deputados da legenda devem apoiar Bolsonaro, mas sem exigir cargos no futuro governo. Segundo ele, porém, o PSDB não vai criar dificuldades caso um dos seus filiados seja  convidado para fazer parte da equipe de Bolsonaro.

 

É o caso dos tucanos Danilo Forte, que vai ocupar cargo de articulação política com o Nordeste subordinado à Casa Civil, pasta a ser chefiada por Onyx Lorenzoni; e a médica Mayra Pinheiro, que assume a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (STGES).

 

Nessa quarta-feira, a ex-presidente do Sindicado dos Médicos do Estado (Simec) e candidata derrotada ao Senado se reuniu com técnicos do órgão a fim de definir suas atribuições, entre as quais se encontra a gestão do programa Mais Médicos em todo o País. (Henrique Araújo)