Participamos do

Ex-prefeito Fernando Haddad vai se firmando como plano B a Lula

| ELEIÇÕES | Convidado pelo próprio ex-presidente Lula a integrar a sua equipe de defesa em Curitiba, o ex-prefeito Fernando Haddad consolida-se como plano B para as eleições
01:30 | Jul. 03, 2018
Autor Henrique Araújo
Foto do autor
Henrique Araújo Repórter Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

[FOTO1] 

Os últimos movimentos do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) apontam que o petista vai se consolidando como alternativa a Luiz Inácio Lula da Silva na corrida eleitoral de 2018.

 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O passo mais recente dessa caminhada foi a inclusão do petista, a pedido do próprio Lula, como parte da equipe de advogados do ex-presidente que o visita regularmente em Curitiba, onde está preso desde o início de abril pela Operação Lava Jato.

Condenado em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal (TRF-4) por corrupção no caso do triplex de Guarujá, Lula está enquadrado na Lei da Ficha Limpa, que veda a participação de candidatos que tenham sido alvo de sentença apresentada por órgão colegiado.

O PT, entretanto, mantém o seu nome na disputa. O partido se guia por dois movimentos. Publicamente, defende a candidatura do ex-presidente ao Planalto. Internamente, porém, a legenda não apenas tem promovido aproximação cada vez maior entre Lula e Haddad, como autorizou que o ex-prefeito de São Paulo assuma negociações e conversas com outras siglas.

 

Na prática, Haddad vai assumindo funções de candidato caso a postulação de Lula seja frustrada pela Justiça. Na última semana, o partido entrou com duas ações no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a suspensão da prisão. Uma foi negada e a outra não tem data para entrar na pauta da Corte.

 

Formado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), Haddad tem duas dificuldades principais pela frente: uma, eliminar resistências intrapartidárias a seu nome — uma ala do PT advoga apoio a outra candidatura do campo da esquerda, como a do ex-ministro Ciro Gomes (PDT).

 

O segundo obstáculo são os baixos índices exibidos pelos institutos de pesquisas de intenção de voto. Neles, o ex-prefeito patina entre 1% e 2% nos cenários testados.

 

Como defensor, Haddad terá trânsito livre à sala onde Lula é mantido na carceragem. Formulador do plano de governo do petista, ele estreitou as discussões com o ex-presidente, que escolheu apenas dois interlocutores na agremiação: além de Haddad, a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann.

 

No partido, a liderança de Lula nas pesquisas não ameniza a pressão para que o PT se defina em relação às eleições presidenciais. Em entrevista ao O POVO no ano passado, o governador petista Camilo Santana (PT) defendeu que a sigla se declare aliada de Ciro, indicando Haddad para a vaga de vice.

 

Para o presidente do PT no Ceará, deputado Moisés Braz, Lula ainda é o plano A incontornável. “Mas é claro que quem está mais próximo do Lula é visto mais rápido”, disse, referindo-se a Haddad.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente