Participamos do

Sinal de alerta para Ciro

01:30 | Abr. 25, 2018
Autor Gabrielle Zaranza
Foto do autor
Gabrielle Zaranza Estagiária de Agenda Cultural do Vida&Arte
Ver perfil do autor
Tipo Notícia


Um ano depois, as revelações dos irmãos Batista continuam a causar estragos, ampliando uma crise que incide principalmente sobre os partidos a poucos meses das eleições. Se em 2017 as gravações de Joesley levaram o governo Temer à lona, agora a promessa de acréscimos aos 32 documentos apresentados à Procuradoria-Geral da República detalhando negociatas com figurões de Brasília tem um duplo efeito: municiar a Lava Jato, no centro da qual estão deputados, senadores e pré-candidatos à Presidência, mas também ex-governadores como Cid Gomes.

 

E reaver credibilidade a fim de restabelecer o acordo de delação premiada, desfeito a pedido da PGR após virem à tona informações sobre venda de ações da JBS nos dias que se seguiram às delações. Para tanto, Joesley e Wesley raspam o tacho: compilam informações valiosas e as repassam à Polícia. A depender do que tenham entregue às autoridades, as acusações contra Cid vão complicar a vida do presidenciável Ciro Gomes, um dos mais bem cotados candidatos na corrida ao Planalto.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

 

HENRIQUE ARAÚJO

HENRIQUEARAUJO@OPOVO.COM.BR

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente